MUNDO

Flórida executa pela 1ª vez supremacista branco por racismo

Sentença foi aplicada com uma injeção letal nunca antes usada nos EUA.

25/08/2017 15:34 -03 | Atualizado 25/08/2017 15:34 -03
Ted Soqui via Getty Images
Grupo de supremacistas brancos em passeata.

A Flórida executou o seu primeiro preso em quase dois anos usando uma injeção letal com uma droga que nunca foi empregada nos Estados Unidos. A execução do detento Mark Asay ocorreu nesta quinta-feira (24).

Aos 53 anos, Asay foi condenado à morte em 1988 pelo duplo assassinato com motivação racial de um negro, Robert Lee Bookeer, e de um hispânico, Robert McDowell, em Jacksonville, Louisiana.

Na aplicação dessa sentença, o estado norte-americano utilizou um "cocktail" da droga etomidato, sedativo nunca usado em uma execução. O medicamento irá substituir o midazolam, outra droga polêmica.

A nova medida fez o réu entrar com uma ação judicial para suspender a execução. No entanto, no início do mês, o Supremo Tribunal da Flórida negou o seu pedido.

De acordo com a juíza Barbara Pariente, o estado teria tratado Asay "como uma cobaia de seu mais novo protocolo de injeção letal".

Segundo o Centro de Informações sobre Pena de Morte, ele é o primeiro homem branco a ser executado por crime racial desde que a pena de morte foi restabelecida na Flórida em 1976.

Leia mais notícias em ANSA.

LEIA MAIS:

- Como uma cidade alemã encontrou um jeito genial de lidar com os neo-nazistas

- Marcha contra racismo esmaga protesto pela liberdade de expressão em Boston

21 vozes negras muito especiais pelas quais somos gratos em 2016