LGBT

A história do homem trans que engravidou compartilha sua vivência sem medo

Trystan Reese e Biff Chaplow já têm um casal de filhos adotivos. 😍

25/08/2017 11:32 -03 | Atualizado 25/08/2017 11:33 -03

Trystan Reese, um homem transgênero, e seu parceiro Biff Chaplow comemoram a chegada de mais um membro da família.

O casal, que mora em Portland (Oregon, EUA), deu as boas-vindas ao pequeno Leo em 14 de julho, após relatar a gravidez de Reese em seu perfil público do Facebook.

"Decidimos contar nossa história porque não quero que jovens de 17 anos que pensam que podem ser trans achem que precisam escolher entre o amor e ser eles mesmos", afirmou Reese, de 34 anos, ao HuffPost. "Quero que as pessoas saibam que com certeza podem – e devem exigir – ter as duas coisas."

O casal se diz consciente do perigo de expor sua história familiar. Thomas Beatie, o primeiro homem trans a tornar pública sua gravidez, enfrentou a rejeição de médicos e sofreu ameaças de morte. Mas Reese e Chaplow acreditam ter sorte por lidar com menos ódio que indivíduos não binários e pessoas trans negras.

"Vivemos numa época em que mulheres transgênero negras são assassinadas quase diariamente aqui nos Estados Unidos, e com uma frequência ainda maior no mundo inteiro", diz Reese. "Temos uma experiência com a vida trans muito diferente da que elas têm, mas esperamos poder contribuir para que as pessoas aceitem e entendam mais a comunidade trans."

Sommessa Photography
Trystan Reese (esq.) e Biff Chaplow (dir.), com seu novo bebê, Leo.
Sunny Lee

Reese interrompeu o tratamento de testosterona para poder conceber. Hoje, diz que a mudança hormonal teve um impacto mais emocional do que físico. Acompanhado por médicos durante a gravidez e o parto, ele espera retomar o tratamento em breve.

"Qualquer um que tenha usado métodos contraceptivos, que tenha passado pela puberdade ou pela menopausa sabe que nossas personalidades são realmente afetadas por nossos equilíbrios hormonais", afirmou Reese ao HuffPost. "Por isso, eu às vezes ficava quase irreconhecível para mim mesmo, em termos da minha personalidade e da minha capacidade de ser paciente, gentil e presente."

Reese e Chaplow adotaram a sobrinha e o sobrinho de Chaplow, Hailey e Riley, há cerca de seis anos. Com um recém-nascido em casa, eles são praticamente iguais a qualquer outra família que se desdobra entre papinhas, troca de fraldas e atividades de verão.

Erin Schedler
Riley (esq.) e Hailey (dir.) olham para o novo irmãozinho.

Mesmo após o nascimento de Leo, os pais querem seguir compartilhando sua história.

"Queremos continuar", diz Chaplow. "Não queremos parar até... não sei, acho que nunca pararíamos."

As famílias do casal também estão maravilhadas com o bebê. O pai de Reese, médico, pôde cortar o cordão umbilical na sala de parto. Já a mãe de Chaplow ajudou a manter a calma geral durante todo o processo, confortando e dando mensagens de incentivo.

"É simplesmente maravilhoso, sabe?", diz Chaplow. "Você olha para ele [Leo], e ele é tão bonito, tão fofo... Às vezes tenho que afastar o Trystan. Digo a ele: 'Desgruda do bebê e vai lavar os pratos."

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- O caso de Jéssica Pereira. A transfobia. E a negação da própria identidade

- A carta enviada pelo Vaticano ao casal gay de brasileiros que batizou os filhos

Ewan Phelan retrata a entrega e a paixão de casais LGBT