MUNDO

Empresas de tecnologia banem e encerram contas de pessoas que defendem supremacia branca nos EUA

Além do Airbnb, GoDaddy, PayPal, Facebook, Google e outras encerram contas de grupos ligados à extrema-direita americana.

15/08/2017 15:16 -03 | Atualizado 15/08/2017 15:17 -03
Justin Ide / Reuters
A ativista Heather Heyer, de 32 anos, foi atropelada por um dos membros do grupo de supremacistas, James Alex Fields, de 20 anos, neste sábado.

Companhias de tecnologia anunciaram que estão encerrando contas e banindo usuários ligados ao protesto a favor da supremacia branca em Charlottesville, nos Estados Unidos.

No último final de semana, a cidade foi palco de um protesto racista e xenofóbico que acabou em tragédia. Um grupo de supremacistas brancos se reuniram a líderes da extrema-direita para o evento "Unir a Direita", que aconteceu no sábado.

O ato, que protestava contra negros, imigrantes, gays e judeus na cidade do estado de Virgínia, acabou em um embate com americanos que protestavam contra os nacionalistas brancos e um dos membros dos supremacistas, James Alex Fields, de 20 anos, atropelou ativistas e matou Heather Heyer, de 32 anos. Outras 19 ficaram feridas.

A tragédia gerou uma reação entre as empresas de tecnologia. A plataforma de hospedagem Airbnb foi a primeira a anunciar que cancelou reservas e removeu permanentemente usuários que utilizaram o site para se hospedar na cidade e participar do protesto.

Bastou para outras gigantes americanas a se pronunciarem sobre o assunto. A PayPal e a Patreon baniram usuários que utilizavam as plataformas de pagamentos para arrecadar dinheiro para a "causa".

O site de hospedagem GoDaddy deu 24 horas para o site neonazista The Daily Stormer trocar de registro. Em comunicado, o GoDaddy se solidarizou com a morte de Heyer e afirmou que o site "passou do limite e encorajou e promoveu a violência". Em horas, o Daily Stormer trocou seu registro para o Google -- e a empresa rapidamente anunciou que também não aceitaria hospedar um site "que viola seus termos de uso".

A empresa de crowdfunding GoFundMe decidiu remover a campanha para arrecadar dinheiro para ajudar James Alex Fields, que foi preso pelo assassinato de Heyer.

Conjuntamente, o Facebook anunciou nesta semana que links do Daily Stormer violam as regras da rede social e que serão removidas automaticamente. Apenas posts que condenem o nacionalismo branco, tomando os artigos e publicações do site neonazista como exemplos, serão mantidos.

A rede social também baniu a página do evento "Unir a Direita", usada para promover os protestos. Todas as postagens e vídeos que "glorificam o horrendo ato em Charlottesville" também serão removidos.

Retaliação a Trump

A ausência de uma dura condenação contra os supremacistas brancos e neonazistas por parte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, irritou CEOs de companhias americanas. Ao menos três executivos anunciaram a saída do comitê de conselheiros de negócios criados pelo presidente.

Só na segunda-feira, dois dias depois da tragédia, condenou explicitamente o atentado em Charlottesville.

"O racismo é malvado, e aqueles que causam violência em seu nome são criminosos e bandidos, incluindo KKK [Klu Klux Klan], neonazistas, supremacistas brancos e outros grupos de ódio, são repugnantes a tudo o que consideramos importantes como americanos", declarou Trump em um pronunciamento na Casa Branca, após ser amplamente criticado por poupar o ato no sábado.

O discurso não convenceu executivos de seu comitê e o primeiro a renunciar ao cargo de conselheiro de negócios de Trump foi o CEO da companhia farmacêutica Merck, Ken Frazier. "Todos precisamos rejeitar o ódio e a intolerância", disse. "Sinto que tenho a responsabilidade de me posicionar", completou. Horas depois foi a vez do CEO da Under Amour, Kevin Plank, de deixar o comitê.

O CEO da Intel, Brian Kzranich, foi o terceiro. "Eu desisti de chamar a atenção para os sérios problema que nosso clima de divisão política está causando, incluindo as sérias necessidade do declínio da produção americana", explicou o presidente da Intel.

LEIA MAIS:

- Como o que aconteceu em Charlottesville era inevitável

- Charlottesville: As imagens que escancaram o discurso de ódio latente em 2017

Atentado em Charlottesville