MUNDO

Barack Obama condena supremacia branca e tem o segundo tweet mais amado da história

Ex-presidente citou o líder Nelson Mandela e reforçou a luta contra discriminação.

15/08/2017 18:35 -03 | Atualizado 15/08/2017 18:54 -03
Dario Ayala / Reuters
"Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor da sua pele, sua cultura ou sua religião".

O presidente Trump, inicialmente, não condenou explicitamente o ataque do supremacista branco James Fields, que atropelou ativistas no protesto contra a manifestação neonazista em Charlottesville.

Por outro lado, Obama postou uma série de tweets no próprio dia do atropelamento, sábado (12), condenando a atitude dos supremacistas e relembrando a luta do povo negro contra a discriminação.

Um dos tweets do ex-presidente foi o segundo mais curtido da história, de acordo com a Associated Press. Até o momento, o tweet já tem mais de 2,6 milhões de curtidas, ficando atrás apenas do tweet de Ariana Grande, após o atentado em seu show na Inglaterra, em maio, que teve 2,7 milhões de curtidas.

Obama citou o líder Nelson Mandela, fazendo uma série de referências ao amor e ao ódio aprendido e compartilhado pelas pessoas. No primeiro tweet, o mais amado, o ex-presidente está sorrindo para várias crianças de diferentes etnias e diz: "Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor da sua pele, sua cultura ou sua religião". O texto está na autobiografia de Mandela, Long Walk to Freedom.

Obama se manifestou logo após a morte da ativista Heather Heyer. Outras pessoas que estavam no protesto junto com a ativista também foram atropeladas. O grupo se expressava contra os manifestantes de extrema direita que organizavam um ato contra negros, imigrantes, gays e judeus.

Os posts de Obama foram muito comentados e tiveram mais de um milhão de retweets, enquanto Trump foi muito criticado por não se posicionar com maior convicção. Após muita desaprovação, o atual presidente resolveu se pronunciar na segunda-feira (14):

"O racismo é malvado, e aqueles que causam violência em seu nome são criminosos e bandidos, incluindo KKK [Klu Klux Klan], neonazistas, supremacistas brancos e outros grupos de ódio, são repugnantes a tudo o que consideramos importantes como americanos".

O tweet de Trump no dia do atentado não teve a mesma aprovação dos tweets de Obama e sua repercussão foi bem menor:

LEIA MAIS:

- Charlottesville: As imagens que escancaram o discurso de ódio latente em 2017

- A marcha nazista em Charlottesville é um produto das crises econômica e política

O adeus de Obama e a posse de Trump