MULHERES

O que fez Taylor Swift querer apoiar organizações que lutam pelos direitos das mulheres

“Minha esperança é ajudar aquelas cujas vozes também precisam ser ouvidas”, ela disse.

15/08/2017 18:10 -03 | Atualizado 15/08/2017 18:26 -03
Taylor Swift chega à festa do Oscar da Vanity Fair, em Beverly Hills, Califórnia, 28 de fevereiro de 2016.
Danny Moloshok / Reuters

Na noite da última segunda-feira (14) um júri decidiu a favor de Taylor Swift na ação judicial que ela moveu contra David Mueller por agressão.

Mueller, ex-DJ, apalpou Swift sem o consentimento dela durante um encontro com a imprensa em 2013, colocando a mão debaixo da saia dela. O júri concedeu US$1 a Swift, o valor que ela pediu como indenização pela agressão que sofreu de Mueller.

Douglas Baldridge, o advogado da cantora, disse que o dólar que ela pediu de indenização "tem valor imensurável". "Ele significa que não quer dizer não", explicou o advogado. "Ele diz a cada mulher que é ela quem vai determinar o que tolera que seja feito com seu corpo."

Em comunicado à imprensa divulgado na noite de segunda, Taylor Swift agradeceu ao juiz e ao júri e anunciou que vai doar dinheiro a organizações que prestam assistência jurídica a sobreviventes de agressão sexual.

"Reconheço os privilégios que desfruto na vida, na sociedade e pelo fato de ter a possibilidade de arcar eu mesma com o custo altíssimo de me defender em um julgamento como este", ela disse. "Minha esperança é ajudar aquelas cujas vozes também precisam ser ouvidas. Por isso vou fazer doações no futuro próximo a várias organizações que ajudam vítimas de agressão sexual a defender-se."

Muitos fãs de Taylor Swift ficaram felicíssimos com o veredito e tuitaram comentários sobre como é forte o impacto de vê-la receber justiça.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Com 'Prayer' e 'Woman', Kesha mostra que a melhor vingança é sua própria cura

- Não sabe por que as mulheres não denunciam estupro? Pergunte a Kesha.

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres