ENTRETENIMENTO

Poeta, filósofo e compositor Antonio Cicero é o novo imortal da Academia Brasileira de Letras

Escritor ocupará a cadeira Cadeira 27, vaga desde a morte do crítico literário e professor Eduardo Portella.

11/08/2017 18:05 -03 | Atualizado 11/08/2017 18:20 -03

O poeta, filósofo e compositor Antonio Cicero foi eleito nesta quinta-feira (10) para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Em terceira candidatura – a primeira, em novembro de 2016 e a segunda, em março deste ano – ele obteve 30 votos e será o novo ocupante da Cadeira 27, vaga desde a morte, em maio, do crítico literário e professor Eduardo Portella. Votaram 34 dos 40 acadêmicos, 22 presentes no Petit Trianon, sede da ABL, no centro do Rio, e 12 por cartas.

Nascido no Rio de Janeiro, em 1945, Antonio Cicero Correia Lima é autor de letras conhecidas do público que acompanha a música popular brasileira (MPB), escritas para canções em que teve como parceiros sua irmã, a cantora Marina Lima (Fullgás), Adriana Calcanhotto (Inverno), João Bosco (Trem bala) e Lulu Santos (O Último Romântico). Formado em Filosofia, em 1972, pelo University College, da Universidade de Londres, ele publicou os livros de poemas Guardar(1992), A Cidade e os Livros (2002), Porventura (2012) e, em parceria com o artista plástico Luciano Figueiredo, O Livro de Sombras (2010).

Poeta, ensaísta e compositor Antonio Cícero é eleito imortal pela Academia Brasileira de Letras. Viva o meu irmão!

Uma publicação compartilhada por Marina Lima (@marinalimax1) em

O novo acadêmico também escreveu ensaios filosóficos como O mundo desde o Fim (1995) e Finalidades sem Fim (2005). Organizou o livro de ensaios Forma e Sentido Contemporâneo: Poesia(2012) e, em parceria com Waly Salomão, o volume de ensaios O Relativismo enquanto Visão do Mundo (1994).

"Antonio Cicero traz para a Academia Brasileira de Letras a presença e a atuação de um dos poetas mais representativos da literatura brasileira contemporânea", afirmou o presidente da ABL, Domício Proença Filho.

Intelectual atuante, Cicero concebeu em 1993 o projeto Banco Nacional de Ideias, em colaboração com o também poeta Waly Salomão (1943-2003). Durante dois anos, o projeto promoveu ciclos de conferências com a participação de artistas e intelectuais de renome mundial, como João Cabral de Melo Neto, Richard Rorty, Tzvetan Todorov, Hans Maguns Enzensberger, Bento Prado Jr. e Darcy Ribeiro.

Na primeira tentativa de ingressar na ABL, para a cadeira deixada vaga pelo médico Ivo Pitanguy, Cicero empatou com o cientista político Francisco Weffort, e a eleição foi anulada. Na segunda, por 18 votos a 15, foi derrotado,pelo historiador Arno Wehling.

LEIA MAIS:

- 'No seu pescoço', de Chimamanda Ngozi Adichie é um convite à empatia. Leia um trecho

- 'A República no Brasil é o regime da corrupção': O texto de Lima Barreto que foi ovacionado na Flip

5 novos livros para pensar sobre as condições do negro no Brasil