COMPORTAMENTO

Mari Maria é a prova de que trabalhar com Youtube não é fácil (mas compensa)

Youtuber diz que a carreira não tem nada de glamour: é trabalho duro, foco e determinação.

11/08/2017 14:46 -03 | Atualizado 11/08/2017 14:46 -03
Divulgação / Avon

O Youtube se tornou a maior plataforma para produção de conteúdo no Brasil – ou, pelo menos, a que mais cresceu no último ano. Tornar-se youtuber virou a carreira dos sonhos de muita gente, muitas vezes por conta do glamour e do 'dinheiro fácil' que parecem encher a vida e as carteiras de alguns dos nomes mais famosos do ramo.

A moda e a beleza sempre foram um destaque nesse meio. Seja nos blogs ou no próprio Youtube, esses assuntos sempre renderam vídeos tutoriais e resenhas online que lançaram mulheres como Camilla Coelho e Mari Maria ao estrelato.

Se engana quem pensa, porém, que esse trabalho é fácil. A própria Mari, que este mês se tornou um dos destaques da nova campanha da linha Mark, da gigante de cosméticos Avon, explicou que trabalhar no universo online está longe de ser esse glamour todo, principalmente porque ela está 100% envolvida em todas as fases da sua produção.

Com mais de dois milhões de inscritos no seu canal e mais de dois milhões e meio de seguidores no Instagram, Mari garante que tem uma meta certa ao fazer cada foto e vídeo para o seu público.

"Eu acordo todos os dias muito cedo, umas 7h30, 8h, e trabalho. Eu sou muito organizada, mas às vezes eu não sei parar de trabalhar. Porque quando você tem essa vida muito online, o tempo inteiro, você nunca sabe o horário de parar. Você sempre acha que está fazendo pouco, porque as pessoas precisam de você ali para gerar conteúdo", disse ela.

A organização é muito alimentada pela vontade de Mari de agregar tudo o que pode ao seu conteúdo, totalmente focado em produtos de maquiagem, tutoriais e outros itens de beleza. A ideia dela é sempre facilitar a vida de quem a acompanha; por isso, além de trabalhar muito, ela também preza pela qualidade do conteúdo que posta – dificilmente você verá coisas pela metade ou dicas que não foram previamente testadas no canal dela.

Mari diz que adora 'transmitir a verdade' em tudo o que faz – entenda: ela opta sempre por ser autêntica nas suas postagens. Entra aí a sua espontaneidade, uma parte muito importante do seu trabalho: "Se eu tenho vontade, eu não penso muito. Se eu acho que vai dar, que vai agregar, eu vou lá e faço, e tento fazer da forma mais verdadeira. Quando eu faço, tenho que ser eu. Se eu não estiver mostrando esse 'eu', tem alguma coisa errada".

O processo criativo varia de pessoa para pessoa. Existem Youtubers que preferem escrever scripts para os seus vídeos, um roteiro que vai seguir todos os assuntos que eles querem abordar na frente das câmeras. Mari prefere deixar essa etapa de lado porque sente que essa técnica muitas vezes engessa, e isso não passa a naturalidade que ela tanto busca para o público.

O marido, Rudy Rocha, tem um papel importante em todo esse processo também. Além de ter incentivado Mari a colocar as suas dicas de maquiagem na internet – que ela só compartilhava com as amigas –, ele também ajuda na edição e produção dos vídeos. Todo o resto é feito pela própria Mari, o que coloca por terra a ideia de que todo grande youtuber conta com uma equipe gigantesca para produção de vídeos e fotos para o Instagram.

"O meu marido me ensinou a editar vídeo. Tinha uma época que eu estava sozinha editando, fazendo tudo, agora ele voltou a me ajudar. Quando eu não tenho tempo, ele me ajuda. Mas eu sempre dou o meu toque, porque isso é muito importante. Se você deixa para outra pessoa fazer, vai ficar com a cara de outra pessoa e não com o seu jeito", explica ela.

Mari já deixou de publicar vídeos no seu canal porque sentia que não estavam de acordo com o jeito que ela tanto defende. Ela prefere criar outros conteúdos novos para manter a conexão e confiança que tem com o seu público a quebrar esse laço publicando qualquer coisa que não esteja 100% de acordo com o que ela deseja e imagina.

Apesar de ser muito comum que blogueiras de beleza e youtubers recebam diversos produtos para testar, Mari explica que é bastante seletiva com o tipo de conteúdo de marcas que sobe em seu canal.

"Eu sempre procuro testar todos os produtos sobre os quais eu vou falar, independentemente de qualquer coisa. Eu nunca, em hipótese alguma, falei ou postei sobre um produto que eu nunca testei. Eu testo, vejo se tem qualidade. Se eu já não usava, eu peço, uso por um mês direto e se vejo que vale a pena, eu invisto. Agora, se não tiver nada a ver comigo, eu não tenho coragem para postar. É a minha palavra que está em jogo", explica ela.

No momento desta entrevista, Mari comentou que a sua pele estava pedindo socorro: ela estava testando quatro bases diferentes ao mesmo tempo para saber quais as melhores para falar no seu canal. No meio do caminho, ela encontra produtos que agridem a pele e outros que ela sabe que vão ser ótimos para quem a segue de perto. "Eu acho que a gente é o filtro para o consumidor; se a gente não faz esse papel, não tem um motivo para fazer isso tudo."

Também parece que a vida de youtuber é inteira de louros e buquês de flores, mas lidar com o feedback automático dos inscritos pode ser uma faca dois gumes: há quem sempre faça comentários positivos, mas também existe o fantasma dos haters, que lotam caixas de comentários com mensagens muito críticas e até maldosas.

"A pessoa te ama hoje e te odeia amanhã. Então é muito importante você estar sempre conectada. Porque a gente não é famosa, nem nada disso, a gente é amiga das pessoas. A gente sente o que elas sentem. É muito importante essa conexão, ver o que elas querem ver... E você vai estar sempre na mesma linha", completa ela.

Mari comenta que o mais importante é saber o propósito pelo qual você cria esse tipo de conteúdo. Afinal, são muitas horas online, sempre pensando duas vezes antes de apertar o botão 'publicar' e buscando uma ligação verdadeira com o outro lado da tela.

"Você tem que acreditar no que você faz. Você tem que fazer com amor. Porque se você pensar que vai fazer isso porque ganha [dinheiro]... Qualquer coisa que você fizer com amor vai te dar dinheiro, vai dar retorno. É muito importante o porquê. Se você está fazendo para ajudar as pessoas, vai dar retorno. Agora se for só para ganhar dinheiro... Vai ser difícil", conclui Mari.

LEIA MAIS:

- Redes sociais, moda, beleza e música: as armas de luta da nova geração

- A geração que vai esvaziar as agências de publicidade