MULHERES

O manifesto de um engenheiro do Google e o machismo em empresas de tecnologia

O texto reflete a opinião pessoal do engenheiro. Para ele, o fato de existir mais homens do que mulheres trabalhando em áreas de tecnologia se dá por "diferenças biológicas" entre os sexos.

06/08/2017 15:37 -03 | Atualizado 06/08/2017 15:41 -03
nullplus via Getty Images

Um engenheiro de software de cargo sênior no Google resolveu escrever um manifesto para que a empresa substituísse suas políticas de diversidade por políticas que incentivassem a "diversidade ideológica".

O documento, que foi veiculado em uma lista de emails, viralizou na sexta-feira (4) na empresa, de acordo com o site Motherboard que ouviu alguns dos funcionários.

O texto reflete a opinião pessoal do engenheiro. Para ele, o fato de existir mais homens do que mulheres trabalhando em áreas de tecnologia se dá por "diferenças biológicas" entre os sexos.

"Estou simplesmente afirmando que a distribuição de preferências e habilidades de homens e mulheres difere em parte devido a causas biológicas e que essas diferenças podem explicar por que não vemos a representação igual de mulheres em tecnologia e liderança."

Ele defende que o Google não deveria oferecer programas para minorias raciais ou de gênero.

"Precisamos parar de assumir que as desigualdades de gênero implicam sexismo ", argumenta.

O autor também escreveu que os funcionários com crenças políticas conservadoras são discriminados na empresa e lamentou sobre como a ideologia "esquerdista" é prejudicial para o ambiente de trabalho.

No documento, afirma que ampliar a diversidade racial e de gênero é menos importante do que garantir que os conservadores se sintam confortáveis para se expressarem no trabalho.

Leitura de raiva de hoje (no trabalho): doc, basicamente, diz que as mulheres são inadequadas para a tecnologia porque gostam de pessoas, enquanto homens gostam de coisas.

O documento de dez páginas foi publicado pelo site GizModo.

A publicação do "manifesto" se dá em um contexto delicado, uma vez que o Google está sendo investigado pelo Departamento de Trabalho por suas diferenças salariais entre homens e mulheres.

E o Vale do Silício tem sido repetidamente exposto como um lugar que discrimina mulheres por seus funcionários.

"O contexto mais amplo é que esta pessoa é talvez mais ousada do que a maioria das pessoas do Google que compartilham de seu ponto de vista - de pensar que as mulheres são menos qualificadas do que os homens - até o ponto em que ele estava disposto a argumentar publicamente sobre isso. Mas, infelizmente há mais pessoas como ele ", disse um funcionário da empresa em entrevista ao Motherboard.

"Escreva um documento sobre como as mulheres são inferiores e depois tente ser um herói oferecendo ajuda para salvar os vulneráveis"

Após a publicação do documento, a vice-presidente de Diversidade, Integridade e Governança do Google, Danielle Brown, escreveu uma mensagem para os funcionários.

"Nós somos inequívocos em nossa convicção de que a diversidade e a inclusão são fundamentais para o nosso sucesso como empresa. Parte da construção de um ambiente aberto e inclusivo significa promover uma cultura em que aqueles com visões alternativas, incluindo diferentes pontos de vista políticos, se sentem seguros compartilhando suas opiniões. Mas esse discurso precisa trabalhar ao lado dos princípios de igualdade de emprego encontrados em nosso Código de Conduta, Políticas e leis antidiscriminação", defendeu.

LEIA MAIS:

- Este garoto de 15 anos fez um rap sobre violência de gênero que todos deveriam ouvir

- Aqui está a prova de que as mulheres precisam trocar de namorado, não de vestido

O que significa, na prática, a diferença salarial entre homens e mulheres