MULHERES

Isis Valverde: 'As pessoas acham que nenhuma mulher pode rebater a outra'

"Confundem femismo com feminismo. Acolher psicopata não é feminismo", disse a atriz sobre cena de violência entre mulheres em 'A Força do Querer'.

05/08/2017 12:47 -03 | Atualizado 05/08/2017 12:47 -03
Divulgação/Tv Globo
Isis Valverde: 'As pessoas acham que nenhuma mulher pode rebater a outra'

Na última semana em A Força do Querer, foi ao ar uma cena que é velha conhecida da dramaturgia: Joyce (Maria Fernanda Cândido) e Ritinha (Isis Valverde) deram uma surra em Irene (Débora Falabella).

O momento foi um dos mais esperados pela audiência, já que as mulheres estariam se vingando da outra que 'roubou' o marido da amiga. Na internet, algumas pessoas comentaram que a violência só aumentava a ideia de que mulheres devem competir umas com as outras, enquanto para outros a surra foi mais que merecida.

Após a repercussão, a atriz Isis Valverde resolveu comentar sobre a cena. Em entrevista ao G1, Isis se declarou "super feminista" e classificou a polêmica sobre a cena como "bizarra".

"Eu sou super feminista. Mas as pessoas acabam ou confundindo feminismo com femismo - essa coisa de rasgar sutiã, bater em homem - ou achando que nenhuma mulher pode rebater a outra", argumentou.

Joyce, com ajuda da nora Ritinha, descobriu que Irene, até então sua melhor amiga, tem um caso com o seu marido Eugênio (Dan Stulbach). Ela teria se aproveitado da amizade com Joyce para manipular não só uma, mas várias situações vividas com a "amiga".

No capítulo, a personagem de Maria Fernanda Cândido foi a um restaurante acompanhada de seu filho Ruy (Fiuk) para encontrar o marido. No local, ela dá de cara com Irene.

No banheiro, Joyce, Ritinha e Irene vão protagonizar um diálogo cheio de farpas. "Não precisa me tratar assim. Seu marido vai ficar com você! Está apaixonado por mim, mas vai ficar com você! Ele faz sempre o que o dever manda, não é? E você se contenta!", provocará Irene.

A fala será a gota d'água e a surra acontece. Para Isis, a personagem mereceu a vingança.

"Isso não é feminismo, acolher uma pessoa que faz uma psicopata. Ela envenenou uma pessoa ao longo da novela, tentou matar outra, arma situações para outras pessoas se darem mal, não tem sentimentos pelo outro. Ela foi atrás da surra, ninguém foi atrás dela", declarou.

A declaração de Isis Valverde foi apoiada no Twitter:

Em entrevista ao HuffPost Brasil, Gloria Perez defendeu as personagens.

"Minhas protagonistas foram sempre mulheres fortes, intensas e politicamente muito incorretas: porque humanas. E foi a dimensão humana que sempre me interessou", conta a autora da novela.

LEIA MAIS:

- Por que mulheres se agredindo em rede nacional ainda é capaz de elevar o Ibope das novelas

- As pessoas comemoraram muito a surra em Irene em 'A Força do Querer'

- 'As pessoas resistem ao diferente', diz Glória Perez sobre debate de gênero em 'A Força do Querer'

5 motivos pelos quais valeu esperar tanto por um filme da Mulher Maravilha