ENTRETENIMENTO

Cantor Luiz Melodia morre aos 66 anos no Rio

Músico lutava contra um câncer na medula.

04/08/2017 10:21 -03 | Atualizado 04/08/2017 16:05 -03
Divulgação
Grande nome da MPB, músico carioca morreu em decorrência de um câncer na medula óssea.

O cantor e compositor Luiz Melodia morreu na manhã desta sexta-feira (4). Aos 66 anos, o músico carioca lutava contra um câncer na medula óssea.

A informação dada pelo colunista do G1 Mauro Ferreira foi confirmada por Renato Piau, guitarrista que tocou com o artista, após ligação para os família do artista.

Um dos grandes nomes na música popular brasileira, Melodia começou o tratamento no ano passado. Em março deste ano precisou foi internado no Hospital Quinta D'Or, no Rio, onde chegou a fazer um transplante de medula óssea, do qual se recuperou bem.

No entanto, não vinha respondendo bem à quimioterapia.

Nascido no Morro do São Carlos, no Estácio, região central do Rio, Luiz Carlos dos Santos teve o primeiro contato com a música ainda pequeno, inspirado pelo pai – Oswaldo Melodia - que tocava em casa.

Na adolescência, ele abandou o ensino médio para compor e tocar sucessos da Jovem Guarda e Bossa Nova, além de aventurar pelo mundo do samba. Sua arte ficaria conhecida pelo tom inventivo e ousado que combinava, além dos estilos citados, choro, blues e jazz.

Luiz Melodia despontou no cenário nacional em 1972, após a canção Pérola Negra, ganhar versão na voz de Gal Costa, no disco Gal a Todo Vapor.

No mesmo ano, Maria Bethânia gravou Estácio, Holly Estácio, no disco Drama Anjo Exterminado. A canção-tributo ao berço do artista viria se tornou um de seus maiores sucessos. "Se alguém quer matar-me de amor, que me mate na Estácio", diz um dos famosos versos de Melodia.

O sucesso das canções gravadas pelas estrelas tropicalistas chamou a atenção das gravadoras. Em 1973, com apenas 22 anos, Melodia lançou seu primeiro disco solo, Pérola Negra – obra icônica da MPB.

Luiz Melodia lançou 16 álbuns ao longo de mais de 40 anos de carreira.

O último foi Zerima, lançado em 2014. Entre as diversas canções de sucesso, destacam-se na trajetória do artista Congênito, Farrapo Humano, Ébano e Negro Gato.

LEIA MAIS:

- Depois de 46 anos, Yoko Ono finalmente recebe crédito como co-autora de 'Imagine'

- Do Maranhão para o mundo: O sucesso de Pabllo Vittar chegou até a Billboard

5 novos livros para pensar sobre as condições do negro no Brasil