NOTÍCIAS

Gloria Perez foi acusada de 'idolatrar o tráfico'. E deu a melhor resposta no Twitter

A autora lamentou a morte do pequeno Arthur, o bebê que foi baleado dentro do ventre na mãe no Rio de Janeiro.

01/08/2017 12:47 -03 | Atualizado 01/08/2017 12:53 -03
reprodução
Gloria Perez foi acusada de 'idolatrar o tráfico'.

No último domingo (30), Gloria Perez usou o seu Twitter para lamentar a morte do pequeno Arthur, o bebê que foi baleado dentro do ventre na mãe no Rio de Janeiro.

O menino chegou a ficar um mês internado sob cuidados médicos, mas não resistiu aos ferimentos.

Claudineia dos Santos Melo, mãe de Arthur, estava grávida de 39 semanas quando foi baleada em uma troca de tiros entre policiais e criminosos na Baixada Fluminense.

Depois, foi encaminhada para o hospital, onde teve que fazer um parto de emergência.

As investigações ainda não apontaram a origem da bala que a atingiu.

No Twitter, Gloria Perez lamentou a morte do bebê.

Porém, a mensagem foi interpretada por alguns usuários como se a escritora estivesse defendendo os criminosos.

Gloria, então, respondeu a usuária:

A discussão rendeu. Outro usuário disse que A Força do Querer, atual novela de Perez, estaria "embelezando a bandidagem".

A autora rebateu:

Em A Força do Querer, a personagem Bibi (Juliana Paes) passou da "garota exemplar" para a "menina que se envolve com o tráfico de drogas. Isso porque ela se apaixonou por Rubinho (Emílio Dantas).

Nos próximos capítulos, Bibi vai morar no morro e se envolver cada vez mais com a rede de crimes.

A personagem Bibi foi inspirada em Fabiana Escobar, a Bibi Perigosa da vida real. Assim como a personagem, ela se apaixonou por um homem que foi preso pelo tráfico de drogas. Depois da prisão do marido, Bibi Perigosa começou a tocar os negócios ilícitos.

LEIA MAIS:

- 'As pessoas resistem ao diferente', diz Glória Perez sobre debate de gênero em 'A Força do Querer'

- Por que mulheres se agredindo em rede nacional ainda é capaz de elevar o Ibope das novelas

Ni Una A Menos: Argentina contra a violência de gênero