ENTRETENIMENTO

'A República no Brasil é o regime da corrupção': O texto de Lima Barreto que foi ovacionado na Flip

Trecho da crônica 'A Política Republicana' foi um dos pontos altos da abertura da Festa Literária Internacional de Paraty.

28/07/2017 15:26 -03 | Atualizado 28/07/2017 16:33 -03
Divulgação
Lázaro Ramos "reviveu" escritor Lima Barreto durante abertura da Flip.

Com recorde de escritoras e escritores negros entre os convidados, a 15ª Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) teve uma abertura diferente nesta quarta-feira (26).

A tradicional conferência deu lugar a uma aula dramatizada sobre Lima Barreto, autor homenageado neste ano. Sob direção teatral de Felipe Hirsch, o ator Lázaro Ramos fez leituras de trechos da obra e dos diários do escritor que viveu no final do século 19.

Acompanhando o ator, a historiadora Lilia Moritz Schwarcz - responsável pela biografia Lima Barreto - Triste Visionário - detalhou a trajetória do autor negro que, com refinamento e sarcasmo, criticou o cotidiano racista e de segregação social do País.

Durante pouco mais de 1h30, o público ouviu e se emocionou com uma narrativa de vida marcada por talento, humor, invisibilidade e tragédia.

Lima Barreto sofreu com o racismo, a pobreza e a marginalidade enquanto escritor. Foi internado no hospício duas vezes por conta de surtos. E morreu cedo, aos 41 anos, em decorrência do alcoolismo.

Divulgação
Autora de nova biografia sobre Lima Barreto, Lilia Moritz Schwarcz acompanhou ator em aula dramatizada.

A performance de Lilia e Lázaro foi realizada em um palco montado no altar da Igreja da Matriz para o público de 450 pessoas pagantes e encerrada na área externa, também lotada de pessoas - cujo acesso era gratuito.

De acordo com a Folha de S. Paulo, do lado de fora da igreja, o ator e a historiadora foram recebidos com gritos de "Fora, Temer" e reações mais calorosas à narrativa compartilhada.

Nesta quinta (27), a Flip postou em seus perfis no Facebook e no YouTube um dos momentos da abertura que foram ovacionados pelo público. Trata-se da leitura de trechos da crônica A Política Republicana, cujas reflexões mostram-se atuais.

"A República no Brasil é o regime da corrução. Todas as opiniões devem, por esta ou aquela paga, ser estabelecidas pelos poderosos do dia. Ninguém admite que se divirja deles e, para que não haja divergências, há a "verba secreta", os reservados deste ou daquele Ministério e os empreguinhos que os medíocres não sabem conquistar por si e com independência (...) Ninguém quer discutir; ninguém quer agitar idéias; ninguém quer dar a emoção íntima que tem da vida e das coisas. Todos querem 'comer'. 'Comem' os juristas, 'comem' os filósofos, 'comem' os médicos, 'comem' os advogados, 'comem' os poetas, 'comem' os romancistas, 'comem' os engenheiros, 'comem' os jornalistas: o Brasil é uma vasta 'comilança'."

Assista à leitura de Lázaro Ramos no player abaixo:

Segundo o jornal O Globo, após a leitura dos trechos da obra de Lima Barreto, o ator dirigiu o microfone na direção do público que se manifestava contra o presidente e finalizou

Lima Barreto, se aqui estivesse, também estaria gritando "Fora, Temer.

Para alegria dos leitores que não puderam acompanhar a abertura ao vivo, a Flip disponibilizou o áudio completo do evento em seu canal no YouTube.

Ouça no player abaixo:

LEIA MAIS:

- 29 músicas que refletem o que é ser negro no Brasil

- Lázaro Ramos: 'Os não negros precisam entender o lugar de escuta'

E se os negros fossem maioria em Hollywood?