POLÍTICA

Moro bloqueia R$ 9 milhões em aposentadorias de Lula

Valor se soma aos R$ 600 mil que já foram sequestrados pelo juiz.

20/07/2017 18:45 -03 | Atualizado 20/07/2017 18:46 -03
Ueslei Marcelino/Reuters
Moro também já determinou o bloqueio de três imóveis do líder petista, incluindo sua residência, e de dois automóveis.

O juiz federal Sérgio Moro determinou nesta quinta-feira (20) um novo bloqueio contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Desta vez, a medida sequestra R$ 9 milhões em planos de previdência privada, atendendo a um pedido do Ministério Público Federal (MPF).

O objetivo é garantir o ressarcimento aos cofres públicos caso a condenação do petista a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro seja confirmada pelas instâncias superiores.

O valor se soma aos R$ 600 mil que já haviam sido bloqueados anteriormente por Moro, cifra que se refere às quantias encontradas nas quatro contas de Lula. O ex-presidente tem dois planos de previdência privada: um com saldo de R$ 7,19 milhões, atribuída a sua empresa de palestras (Lils), e outra de R$ 1,8 milhão, esta em seu nome.

Ainda que estejam bloqueados, os valores só podem ser tirados em definitivo de Lula quando a sentença transitar em julgado, ou seja, quando o caso encerrar na última instância. Se isso acontecer, as quantias serão repassadas à Petrobras, que seria a vítima dos crimes.

Moro também já determinou o bloqueio de três imóveis do líder petista, incluindo sua residência, e de dois automóveis. Segundo o juiz, agentes do PT obtiveram R$ 16 milhões em vantagens indevidas a partir de um contrato envolvendo a Refinaria Abreu e Lima, da Petrobras, e o Consórcio Conest, que reúne Odebrecht e OAS.

Desse total, R$ 2,2 milhões teriam sido dados ao ex-presidente, na forma de um apartamento triplex no Guarujá (SP), que também foi confiscado.

Leia mais notícias em ANSA

LEIA MAIS:

- Moro pede bloqueio de até R$ 10 milhões de Lula, mas Banco Central só encontra R$ 606 mil

- Moro volta a criticar advogados de Lula ao rebater embargos da defesa do petista

Lula na Lava Jato: Repercussão internacional