MUNDO

Mais de 500 jovens foram violentados em coral de Ratisbona

Coral católico alemão é um dos mais tradicionais do mundo.

18/07/2017 18:13 -03 | Atualizado 18/07/2017 18:20 -03
Getty Images
O coral masculino Domspatzen, da Catedral de Ratisbona, é um dos mais famosos e conceituados grupos católicos.

Cerca de 550 crianças foram violentadas ao longo de décadas por membros do coral católico da Catedral de Ratisbona, de acordo com uma denúncia publicada nesta terça-feira (18) pela imprensa alemã.

Um relatório final apresentado pelo advogado Ulrich Weber aponta que ao menos 547 crianças teriam sido vítimas de violência, sendo que 500 de agressões físicas e 67 de violências sexuais também. Os crimes teriam ocorrido a partir de 1945 e perdurado até os anos 1990.

O advogado informou que, até o momento, 49 suspeitos foram identificados. As cifras divulgadas hoje são largamente superiores às informadas em 2016, que estipulavam 231 vítimas. Em fevereiro de 2015, as autoridades católicas reconheceram apenas 72 casos.

O relatório de Ulrich Weber faz parte de uma investigação iniciada em 2010 sobre crimes e abusos cometidos por membros da Igreja Católica na Alemanha. O coral masculino Domspatzen, da Catedral de Ratisbona, é um dos mais famosos e conceituados grupos católicos.

Entre 1964 e 1994, sob direção de Georg Ratzinger, irmão do papa emérito Bento XVI, a escola musical ganhou fama mundial. "Se eu tivesse tido conhecimento do excesso de violência que era aplicado, teria feito algo. Peço perdão às vítimas. Eu também dava bofetadas, mas isso sempre pesou na minha consciência", disse Georg Ratzinger em uma entrevista em 2010 à imprensa alemã.

De acordo com Weber, muitas das crianças da época, ouvidas como testemunhas, relataram que o período no coral foi "o pior período da vida delas, marcado por violência, medo e infelicidade". As vítimas devem ser indenizadas a partir de agora em até 20 mil euros.

LEIA MAIS:

- #NãoSilencie: 3 relatos de mulheres que sofreram abuso sexual antes dos 18 anos

- #PrimeiroAssédio também expõe tabu de violência sexual contra meninos

Pastor Felipe Heiderich é suspeito de abuso de menor

ETC:Mundo