MULHERES

Além da matemática: A premiada Maryam Mirzakhani também foi revolucionária

A notícia de sua morte surpreendeu o seu país de origem e os Estados Unidos, onde morava e era professora na Universidade de Stanford.

17/07/2017 19:27 -03 | Atualizado 17/07/2017 19:36 -03
NASA? via Getty Images
A matemática Maryam Mirzakhani morreu no último sábado (15).

Em 2014, aos 37 anos, Maryam Mirzakhani recebeu o prêmio de matemática Fields Medal, uma espécie de Nobel do gênero, pelo conjunto da obra de seus estudos. A iraniana foi a primeira mulher da história a vencer tal premiação desde sua criação, em 1936.

Por sua genialidade e representatividade, no última sábado (14) a notícia de sua morte surpreendeu o seu país de origem e os Estados Unidos, onde morava e era professora na Universidade de Stanford. A matemática enfrentava um câncer de mama, de acordo com nota oficial da universidade.

"Ela era uma matemática pura e estava atraída por resolver alguns dos problemas mais difíceis em matemática. Ela foi particularmente excelente no desenvolvimento de formas de calcular as superfícies de objetos curvos com a maior precisão, o que tem muitas implicações na vida cotidiana", descreve a nota.

Mirzakhani descreveu o seu trabalho, que muitas vezes é compreendido como uma nova linguagem, como a necessidade de encontra soluções com um único recurso possível: o seu conhecimento.

"Eu não tenho nenhuma receita particular [para desenvolver novas teorias]. É como estar perdido em uma selva e tentar usar todo o conhecimento que você pode reunir para criar novos truques e, com alguma sorte, você pode encontrar uma saída."

Apesar da natureza altamente teórica, as descobertas da iraniana têm impactos sobre os estudos de física da origem do universo, além de aplicações para a engenharia.

Dentro da matemática, teve influências no estudo de números primos e na criptografia.

Para o presidente da Stanford, Marc Tessier-Lavigne, a contribuição da matemática vai muito além das teorias.

"Maryam se foi muito cedo, mas seu impacto continuará em torno das milhares de mulheres que ela inspirou para pesquisar a matemática e fazer ciência. Maryam era uma brilhante teórica matemática, e também uma pessoa humilde que aceitou honras apenas com a esperança de encorajar os outros a seguir seu caminho. Suas contribuições tanto como estudiosa quanto como modelo são significativas e duradouras, e ela será muito sentida aqui em Stanford e em todo o mundo."

ATTA KENARE via Getty Images

Uma joia do Irã

Mirzakhani nasceu em Teerã e sonhava em se tornar escritora, mas os números e fórmulas atravessaram o seu caminho.

De acordo com a nota da Stanford, ela frequentou uma escola secundária de meninas na capital iraniana.

Mirzakhani ganhou reconhecimento internacional durante as competições da Olimpíadas Internacionais de Matemática. Ela era uma das poucas mulheres a integrar os times e levou ouro nas edições de 1994 e 1995.

Depois da graduação, foi aceita em Harvard, onde começou a trilhar o caminho de suas teorias. Apesar da barreira linguística, não deixava de interpelar seus professores em inglês, enquanto escrevia suas teorias em persa.

A notícia de sua morte levou os jornais estatais do Irã romperem com as estritas regras do país sobre o uso do hijab pelas mulheres.

Para homenagear a matemática, eles publicaram uma foto dela com a cabeça descoberta.

Até o presidente Hassan Rouhani publicou uma foto de Mirzakhani em seu Instagram. "A grave passagem de Maryam Mirzakhani, a eminente matemática iraniana e de renome mundial, é muito dolorosa", escreveu.

‌ درگذشت اندوه‏بار مریم میرزاخانی، #نابغه نامدار #ریاضی ایران و جهان موجب تأثر فراوان شد. ‌ درخشش بی‌نظیر این #دانشمند خلاق و انسان متواضع که نام ایران را در مجامع علمی جهانی طنین‏‌انداز کرد، نقطه عطفی در معرفی همت والای #زنان و جوانان ایرانی در مسیر کسب قله‌های افتخار در عرصه‌های گوناگون بین‌المللی بود. ‌ این‏جانب ضمن ارج نهادن به خدمات علمی و آثار ماندگار این فرزند فرهیخته ایران، مصیبت وارده را به جامعه علمی کشور و خانواده محترم آن عزیز از دست رفته صمیمانه تسلیت می‏‌گویم. ‌ #مریم_میرزاخانی (۱۳۹۶-۱۳۵۶) #فرزند_ایران ‌

A post shared by Hassan Rouhani • حسن روحانی (@hrouhani) on

Em uma das raras entrevistas ao Guardian, Maryam Mirzakhani descreveu o momento em que se sentiu atraída pelas fórmulas:

"Quando criança, eu sonhava em me tornar uma escritora. Meu passatempo mais emocionante era ler romances; Na verdade, eu leria qualquer coisa que eu pudesse encontrar. Nunca pensei na matemática até meu último ano no ensino médio. Cresci em uma família com três irmãos. Meus pais sempre foram muito solidários e encorajadores. Era importante para eles que tivéssemos profissões significativas e satisfatórias, mas não se importavam tanto com o sucesso e a realização.

Em muitos aspectos, foi um ótimo ambiente para mim, embora estes tenham sido tempos difíceis durante a guerra do Irã-Iraque. Meu irmão mais velho foi a pessoa que me despertou o interesse pela ciência em geral. Ele costumava me dizer o que ele aprendia na escola. Minha primeira lembrança da matemática é provavelmente o momento em que ele me contou sobre o problema de adicionar números de 1 a 100. Eu acho que ele havia lido em um jornal científico popular como Gauss resolveu esse problema. A solução foi bastante fascinante para mim. Essa foi a primeira vez que eu gostei de uma solução bonita, embora não conseguisse encontrá-la sozinha."


LEIA MAIS:

- Winnie Mandela abre o jogo sobre o futuro da África do Sul, racismo e Nelson Mandela

- O livro de Angela Davis que leva o ativismo para a prática e exalta a luta política das mulheres

- No Arkansas, mulheres precisarão de permissão dos homens para abortarem

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres