POLÍTICA

Presidente do Conselho de Ética acolhe pedido de denúncia contra senadoras que protestaram contra reforma

Senador João Alberto Souza (PMDB-MA) já arquivou mais de 20 processos contra senadores, incluindo contra Aécio Neves (PSDB).

12/07/2017 19:42 -03 | Atualizado 13/07/2017 14:43 -03
Adriano Machado / Reuters
Senadoras Gleisi Hoffmann, Fátima Bezerra e Vanessa Grazziotin ocupam mesa diretora no plenário do Senado

O presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), acolheu o pedido de denúncia contra as senadoras que ocuparam a mesa da presidência do Senado nesta terça-feira (11). As senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) , Lídice da Mata (PSB-BA), Fátima Bezerra (PT-RN), Ângela Portela (PDT-RR) e Regina Sousa (PT-PI) discursavam contra a votação da reforma trabalhista.

Mesmo sem a presença do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), a sessão foi declarada aberta às 11h, pois havia quórum. Eunício chegou ao plenário às 12h, mas a senadora Fátima Bezerra (PT-RN), que estava sentada no lugar do presidente, não cedeu seu lugar. Eunício suspendeu a sessão e as luzes do plenário foram apagadas.

Diante dessa situação, o senador José Medeiros (PSD-MT) abriu processo contra as senadoras de oposição, por quebra de decoro parlamentar. O pedido teve apoio de 14 senadores e foi acolhido nesta quarta-feira (12) por João Alberto Souza. Medeiros reprovou a atitude e disse ao G1 que "você pode, em um processo democrático, discordar e a força dos nossos argumentos vencerem. Não o uso da força".

O presidente do conselho que deferiu o pedido contra as senadoras já arquivou mais de 20 processos contra outros senadores durante seus mandatos, entre eles o pedido de cassação do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

O pedido de cassação de Aécio foi aberto depois da delação de Joesley Batisa, da JBS. Em conversa com o empresário, Aécio pede R$2 milhões para pagar sua defesa na Operação Lava Jato. Aécio teve seu mandato restabelecido no dia 4 de julho pelo ministro Marco Aurélio Mello e se defendeu dizendo que foi vítima de um armação.

Além disso, Souza já arquivou processos contra Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Fernando Collor de Mello (PTC-AL), Álvaro Dias (PSDB-SP) e João Capiberibe (PSB-AP), além do próprio requerente do processo contra as senadoras, José Medeiros.

A senadora Regina Souza desaprova a atitude do presidente e compara com situações de desacato que já ocorreram no plenário: "Aqui senador vai aos tapas e nunca foi pedido Comissão de Ética para eles, o senador chama o outro para brigar e não tem Comissão de Ética, aí porque nós ocupamos uma mesa, na tentativa de fazer um acordo para votar pelo menos uma proposta e o processo é acatado", disse ao jornal Meio Norte, do Piauí.

LEIA MAIS:

- Como votou cada senador na reforma trabalhista

- O dia em que as senadoras da oposição protestaram contra a reforma mesmo sem luz

Os 10 senadores mais atuantes