POLÍTICA

CNI reduz projeção de crescimento da economia de 0,5% para 0,3% este ano

A estimativa de crescimento do PIB industrial baixou de 1,3% para 0,5%.

07/07/2017 15:54 -03 | Atualizado 07/07/2017 15:54 -03
Adriano Machado / Reuters

Depois de dois anos consecutivos de forte recessão, a economia brasileira começa a dar sinais de recuperação, segundo análise do Informe Conjuntural do segundo trimestre, divulgado nesta sexta-feira (7) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Entretanto, a instituição reduziu a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzido no país), de 0,5% para 0,3%.

A estimativa de crescimento do PIB industrial baixou de 1,3% para 0,5%. Caso a previsão se confirme, será o primeiro resultado positivo da indústria desde 2013. Essa expansão será liderada pela indústria extrativa, com crescimento de 8%. A indústria de transformação crescerá 0,9% e a da construção terá uma queda de 2,3%. O setor de serviços industriais de utilidade pública, que inclui as distribuidoras de energia, crescerá 1,9%.

Para a instituição, a expansão da agropecuária e das exportações, a queda da inflação, a redução dos juros e o ajuste dos estoques da indústria devem ajudar a consolidar o crescimento no segundo semestre deste ano.

Já a perspectiva anterior de que os investimentos aumentariam 2% este ano não se confirmará. A nova previsão da CNI é de uma queda de 2,7% nos investimentos. "O menor investimento também está ligado ao ambiente de incertezas - provocado pela turbulência política e a dificuldade de se aprovar agendas importantes no Congresso Nacional", avalia o Informe Conjuntural. O estudo estima ainda que o consumo das famílias terá uma leve alta de 0,1% e a taxa média de desemprego continuará elevada e ficará em 13,5%.

Inflação

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) projetado para dezembro (acumulado em 12 meses) é de 3,6%, abaixo do centro da meta de 4,5% fixada pelo governo. A queda da inflação é resultado da redução dos preços dos alimentos e da forte retração do consumo, diz a CNI.

A CNI considera que a redução das metas de inflação para 4,25% em 2019 e para 4% em 2020 é positiva. Além de se alinhar aos padrões internacionais, a revisão das metas contribui para o controle da inflação "de forma mais célere e menos custosa", pois ancora as expectativas em níveis mais baixos. Mas o alcance dos resultados depende do comprometimento das autoridades com a situação fiscal e da transparência e credibilidade do Banco Central, diz a CNI.

Balança comercial

Com a cotação do dólar na casa dos R$ 3,30 e os preços das commodities (produtos primários) acima dos de 2016, as exportações brasileiras crescerão 11% e alcançarão US$ 205 bilhões neste ano. As importações crescerão 7% e fecharão o ano em US$ 147 bilhões. O saldo comercial ficará em US$ 58 bilhões.

Contas públicas

O setor público vai encerrar o ano com um déficit primário de R$ 141,7 bilhões, equivalentes a 2,1% do PIB, dentro da meta de R$ 143,1 bilhões fixada para o ano. A dívida bruta do setor público subirá para 74,3% do PIB. Em 2016, a dívida pública ficou em 69,9% do PIB.

LEIA MAIS:

- Apesar de 14 milhões desempregados, Temer diz que 'não há crise econômica no Brasil'

- Como o Brasil passou de país em ascensão para barco em processo de naufrágio