LGBT

Com voto contrário de Angela Merkel, Alemanha aprova casamento gay

Legalização do casamento gay ocorre 16 anos depois de a Alemanha autorizar a união civil.

30/06/2017 12:04 -03 | Atualizado 30/06/2017 12:04 -03
TOBIAS SCHWARZ via Getty Images

Dezesseis anos depois de dar aval à união civil entre homossexuais, a Alemanha aprovou nesta sexta-feira (30) o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O projeto entrou em pauta uma semana depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, liberar os correligionários democratas-cristãos a votarem de acordo com suas convicções.

Em busca do quarto mandato, Merkel disse que se sentiu obrigada a refletir sobre sua rejeição ao casamento gay. De acordo com o El País, ela disse ainda que os casais homossexuais tem tanto valor quanto os heterossexuais.

Ainda assim, a chanceler votou contra o projeto. O texto teve 393 votos a favor, incluindo de deputados conservadores, e 226 contrários. Ao se justificar, Merkel recorreu à literalidade da Constituição alemã e disse esperar que a decisão proporcione paz e coesão social.

Para mim, o casamento previsto na Lei Fundamental [Constituição] é o entre homem e mulher. Por isso, votei hoje contra essa lei. É correto o que foi dito na discussão hoje, foi um debate longo e intenso e, para muitos, uma discussão que gerou emoções. Também para mim, pessoalmente. E, por isso, espero que a votação de hoje não só promova o respeito entre diferentes opiniões, mas também traga mais coesão e paz social.



Os argumentos da chanceler, entretanto, não convenceram. O deputado Johannes Kahrs fez duras críticas à representante da União Democrata-Cristã.

Senhora Merkel, eu não posso lhe poupar. Isso foi lamentável, foi vergonhoso. Desde 2005 a senhora apoia a discriminação de lésbicas e gays. A senhora não fez nada para que houvesse igualdade.


Ao desobrigar os deputados a seguir a posição do partido, Merkel mirou nas eleições. A intenção foi a de atrair três partidos que podem ajudá-la a compor uma aliança para um novo governo.

Adoção

Na Alemanha, a principal diferença entre a união civil e o casamento é o direito à adoção. Assim que a nova lei entrar em vigor - ainda é preciso aval da Câmara Alta do Parlamento -, o que está previsto para ocorrer até o fim do ano, os casais gays poderão usufruir do direito à adoção.

Apesar da oposição, Merkel disse que pensou muito sobre a questão do bem-estar da criança e disse estar "convencida de que os casais do mesmo sexo devem poder adotar crianças".

LEIA MAIS:

- 10 livros imperdíveis para quem quer ler autores LGBT

- A difícil missão do jornalista que quer 'apagar' leis que criminalizam LGBTs

As imagens da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo