COMPORTAMENTO

Esta é a chave para dominar a arte de jogar conversa fora, segundo uma pesquisa de Harvard

Introvertidos sociais, vocês precisam ler isto.

29/06/2017 14:47 -03 | Atualizado 29/06/2017 14:52 -03
Retrofile RF
Portanto, o objetivo quando se joga conversa fora, segundo Huang, é encontrar o equilíbrio entre perguntar e responder, sem ser muito interrogativo.

Aqui está uma dica fundamentada em uma pesquisa para que você consiga enfrentar sua próxima conversa em um jantar em que não se sinta muito à vontade: apenas faça perguntas para a pessoa com a qual está conversando — e muitas perguntas complementares.

Em uma série de estudos sobre interação humana, Karen Huang, estudante de doutorado da Harvard Business School, e sua equipe de pesquisa analisaram mais de 300 conversas on-line e presenciais entre pessoas que estão se conhecendo.

No caso do componente das conversas on-line, os participantes tiveram uma pessoa aleatória para conversar por 15 minutos. No primeiro estudo, foi pedido que uma pessoa em cada par fizesse muitas perguntas (pelo menos nove) ou poucas (não mais do que quatro).

Depois que as conversas terminaram, os participantes relataram o quanto gostaram do parceiro. A conclusão? As pessoas que fizeram mais perguntas, particularmente as complementares, foram consideradas mais agradáveis.

No segundo estudo, os participantes também conversaram on-line por 15 minutos, mas, desta vez, não foram especificamente instruídos sobre a quantidade de perguntas a serem feitas; apenas receberam a recomendação de fazer muitas perguntas ou poucas perguntas. Depois disso, observadores que não participaram do experimento leram as transcrições dessas conversas.

Para os observadores, a pessoa que respondeu a uma grande quantidade de perguntas pareceu mais agradável do que a que perguntou muito, Huang disse ao HuffPost.

"Suspeitamos que seja porque as pessoas que responderam a muitas perguntas acabaram por revelar mais informações sobre seus pensamentos, ideias e perspectivas", disse. "Elas parecem mais interessantes e completas."

Portanto, o objetivo quando se joga conversa fora, segundo Huang, é encontrar o equilíbrio entre perguntar e responder, sem ser muito interrogativo.

O perguntar-responder — com moderação — também poderia ser bom para sua vida amorosa. Os pesquisadores usaram dados de um estudo publicado anteriormente com 110 pessoas de um evento de "speed dating" e analisaram o número de perguntas iniciais e complementares feitas pelos participantes. Concluíram que aquelas que fizeram perguntas complementares eram mais propensas a marcar um segundo encontro.

A grande conclusão aqui? Uma boa pergunta complementar faz maravilhas. Procure estabelecer um diálogo, e não um interrogatório do FBI, disse Debra Fine, uma reconhecida especialista em comunicação nos Estados Unidos e autora de The Fine Art Of Small Talk (A Fina Arte de Jogar Conversa Agora, não publicado no Brasil).

"Há muito mais [coisas] para uma boa conversa do que simplesmente fazer perguntas e pular de um tópico para outro", disse Fine ao HuffPost. "Perguntas complementares são fundamentais porque, de outra forma, as conversas são apenas pergunta atrás de pergunta, sem nenhuma conexão ou conversa real em profundidade."

Abaixo, Fine, que não participou do estudo da Harvard, forneceu uma curta lista de perguntas com as quais você ganhará pontos com estranhos e conhecidos (sejam bem-vindos, introvertidos):

1. "O que você faz em suas horas de lazer?" ou "Com o que você se ocupa fora do trabalho ou escola?"

"Estas são minhas perguntas infalíveis nas interações de negócios", disse Fine. "Promovem uma amizade [no ambiente corporativo] porque você aprende algo sobre a pessoa além de seu tipo de trabalho."

2. "De onde você é?"

"Esta sempre funciona, mesmo quando a pessoa é de onde você é", disse Fine. "As [perguntas] complementares naturais neste caso são: 'Você já pensou em morar em outro lugar?' ou 'O que você mais gosta e menos gosta de morar aqui?'. Se não são da região, pergunte do que sentem mais falta de onde vieram."

3. "Como está o trabalho/família ou aquele hobby que sei que você tem interesse?"

"Se conheci alguém antes, me preparo lembrando que já conheço [fatos sobre] a pessoa", disse. "Pense em tópicos de discussão de antemão; a pior hora de pensar no que conversar é quando não há nada para conversar!".

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- 10 livros imperdíveis para quem quer ler autores LGBT

- Esta animação 'Le Clitoris' vai te contar como aconteceu a descoberta do clitóris

10 medos que matam os relacionamentos