MULHERES

Esta senadora defendeu uma lei no Parlamento australiano enquanto amamentava seu bebê

Larissa Waters apresentou proposta de lei enquanto amamentava a pequena Alia.

25/06/2017 15:37 -03 | Atualizado 26/06/2017 11:22 -03
Reprodução
Esta senadora australiana quer que todas as mães e mulheres ocupem a política

A senadora Larissa Waters está fazendo história na política australiana.

Na última quinta-feira (22), ela foi a primeira mulher a apresentar uma moção no Parlamento enquanto amamentava sua filha Alia, de 3 meses.

No Twitter, a senadora australiana deixou um recado registrando o ocorrido: "Pela primeira vez eu tive que apresentar uma moção no Senado enquanto amamentava", escreveu.

Para alguns, amamentar uma criança pode não ter nenhum significado, mas para mães e mulheres como Larissa Waters o ato de amamentar em espaços públicos, como o Parlamento, é um exemplo de resistência.

Para se ter uma ideia, até 2016 crianças sequer eram permitidas no local. A lei foi alterada no final do ano passado para permitir que as legisladoras amamentem seus filhos no local de trabalho.

Em Maio, Waters também chamou atenção ao comemorar que Alia poderia frequentar o Parlamento.

"Tão orgulhosa de a minha filha Alia ser o primeiro bebê a ser amamentado no Parlamento. Nós precisamos de mais mulheres e pais no Parlamento", escreveu.

Nas redes sociais, a senadora recebeu apoio dos usuários, que elogiaram o seu posicionamento.

Waters usou o seu Facebook para deixar um recado importante.

A política escreveu que quer ser um exemplo para outras mães e mulheres que gostariam de ocupar espaços públicos, como a política.

"As mulheres sempre trabalharam e criaram crianças, mesmo sendo esse trabalho foi pago no local de trabalho ou não remunerado quando se trata do lar. Espero que isso ajude a normalizar o aleitamento materno e a destruir qualquer vestígio de preconceito contra a amamentação de um bebê quando ele estiver com fome. Espero que essa seja uma mensagem para jovens mulheres e mães para que elas ocupem lugares de poder, como o Parlamento."

LEIA MAIS:

- A reação das pessoas à foto de Manuela D'Ávila é a prova de que amamentar ainda é tabu
- O mandato de Manuela D'ávila e a resistência da mulher na política

Quem é a mulher que aborta no Brasil