MUNDO

'Extremismo da direita'? Polícia investiga se novo ataque em Londres é retaliação a terrorismo

Uma pessoa morreu e outras dez ficaram feridas em um atropelamento ocorrido na mesquita de Finsbury Park, no norte de Londres.

19/06/2017 11:11 -03 | Atualizado 19/06/2017 13:42 -03
TOLGA AKMEN via Getty Images
Atropelamento em mesquita de Londres é investigado como 'ataque terrorista'.

Uma pessoa morreu e outras dez ficaram feridas em um atropelamento ocorrido na mesquita de Finsbury Park, no norte de Londres, na noite do último domingo (18), horário de Brasília.

De acordo com a polícia local, a metodologia empregada no incidente pode caracterizá-lo como um ataque terrorista.

O motorista que dirigia a van tem 48 anos e foi preso por homicídio. Ele foi detido por pessoas que estavam no local até a chegada da polícia.

As vítimas foram feridas após deixarem a Casa de Bem-Estar Muçulmana na Seven Sisters Road, após as orações da madrugada durante o Ramadã.

AFP/Getty Images
Ataque em mesquita muçulmana em Londres deixa 10 feridos.

Os motivos que levaram o ataque ainda não foram estabelecidos, mas testemunhas que estavam na cena disseram ao HuffPost UK que existe um problema com o "extremismo da extrema direita" no Reino Unido.

"As pessoas estão traumatizadas, as pessoas estão aterrorizadas. O homem estava ridicularizando os muçulmanos. Ele estava rindo enquanto a polícia o segurava. Quando você não lida com o extremismo da extrema direita neste país, isso é o que acontece. Nós não queremos dinheiro, queremos garantir a segurança. Eu não tenho nada a dizer a ela (Theresa May). Ela me escutaria?", disse Ibam Omar, frequentador da Mesquita.

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI), usou a notícia do ataque para incitar nesta segunda-feira (19), nas redes sociais, mais atentados na capital britânica.

"Vocês devem começar a guerra santa", pediu a cúpula da organização a seus seguidores na Inglaterra.

O ataque teria sido cometido como retaliação aos recentes atentados islâmicos no país. O último ocorreu em 3 de junho, na London Bridge e no Borough Market. Apenas 12 dias antes, um terrorista detonou uma bomba durante o show da cantora Ariana Grande em Manchester.

De acordo com fontes locais, o agressor que atropelou os muçulmanos é um homem "branco, sem barba". "Isso também é terrorismo", disse o líder da mesquita, Mohammed Kozvar.

"É um ataque terrorismo, assim como os de Manchester, em Westminster e na London Bridge", comentou.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou que esse é "um incidente terrível" e que "seus pensamentos e orações estão com todas as vítimas, com a polícia e com as equipes de resgate".

"As investigações serão conduzidas sobre a denúncia de um potencial ataque terrorista", confirmou a premier.

Leia mais notícias em ANSA

LEIA MAIS:

- Incêndio florestal deixa ao menos 62 mortos no nordeste de Portugal
- A marcha ré de Donald Trump na reaproximação entre Cuba e Estados Unidos
- Donald Trump cancela acordo de aproximação com Cuba

Explosão em metrô da Rússia