POLÍTICA

Joesley Batista afirma que Temer é 'chefe da quadrilha mais perigosa' do País

Em entrevista exclusiva à revista 'Época', dono da JBS afirma que 'quem não está preso, está hoje no Planalto'

17/06/2017 11:17 -03 | Atualizado 17/06/2017 14:16 -03
Brazil Photo Press/CON via Getty Images
O empresário ainda afirma que o presidente não tinha “cerimônia” para pedir dinheiro e que Eduardo Cunha cobrava propina em nome de Temer. 

Joesley Batista, empresário e dono da JBS, afirma, em entrevista à revista Época desta semana, que o presidente Michel Temer "é chefe da quadrilha mais perigosa" do Brasil e que "quem não está preso, está no Planalto".

O empresário afirma que o presidente não tinha "cerimônia" para pedir dinheiro e que Eduardo Cunha cobrava propina em nome de Temer.

Joesley ainda diz que pagou pelo silêncio na prisão de Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, apontado como o principal operador de propina do ex-presidente da Câmara, e que o ex-ministro Geddel Vieira Lima era o "mensageiro" de Michel Temer.

É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles. Por outro lado, se você baixar a guarda, eles não têm limites. Então meu convívio com eles foi sempre mantendo à meia distância: nem deixando eles aproximarem demais nem deixando eles longe demais. Para não armar alguma coisa contra mim. A realidade é que esse grupo é o de mais difícil convívio que já tive na minha vida.Joesley Batista à Época

Segundo o Estadão, o empresário, que após ter acordo de delação premiada foi morar nos Estados Unidos, está no Brasil desde o último domingo (11) e, nesta sexta-feira (16), prestou depoimento na Justiça Federal, em Brasília.

Na entrevista à Época, Joesley dá detalhes sobre a "compra de silêncio" de Eduardo Cunha, notícia que desencadeou a crise ano governo ao ser divulgada pela coluna do jornalista Lauro Jardim, no jornal O Globo.

Virei refém de dois presidiários (Cunha e Lúcio Funaro). Combinei quando já estava claro que eles seriam presos, no ano passado. O Eduardo me pediu 5 milhões. Disse que eu devia a ele. Não devia, mas como ia brigar com ele? Dez dias depois ele foi preso. Eu tinha perguntado para ele: "Se você for preso, quem é a pessoa que posso considerar seu mensageiro?". Ele disse: 'O Altair procura vocês. Qualquer outra pessoa não atenda'. Passou um mês, veio o Altair. Meu deus, como vou dar esse dinheiro para o cara que está preso? Aí o Altair disse que a família do Eduardo precisava e que ele estaria solto logo, logo. E que o dinheiro duraria até março deste ano. Fui pagando, em dinheiro vivo, ao longo de 2016. E eu sabia que, quando ele não saísse da cadeia, ia mandar recados. Joesley Batista à Época

No áudio, anexado na delação premiada de Joesley na Operação Lava Jato, o empresário comenta com Temer que está pagando R$ 500 mil por semana ao ex-presidente da Câmara. Ao ouvir, Temer afirma: 'Tem que manter isso, viu?'. A mesada de Cunha, segundo o delator, foi acertada em R$ 500 mil semanais por 20 anos, totalizando R$ 480 milhões.

Você pode ouvir os áudios clicando aqui.

Leia a entrevista completa com Joesley Batista no site da revista Época.

ATUALIZAÇÃO: Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o presidente Michel Temer decidu processar Joesley Batista após a entrevista concedida à revista Época, em que ele o acusa de ser "chefe de quadrilha". O presidente vai divulgar uma extensa nota sobre o caso ainda hoje.

LEIA MAIS:

- 'Fui ingênuo ao receber o empresário grampeador', diz Temer à Folha

- O guia das revelações da JBS na Lava Jato

A mais grave crise do Governo Temer