NOTÍCIAS

'Acabou o shopping center’, diz Doria após nova ação policial na Cracolândia

Dependentes químicos colocaram fogo em barracas e colchões.

11/06/2017 16:44 -03 | Atualizado 11/06/2017 23:43 -03
Montagem / Agência Brasil / A2img
Polícia fez nova operação na Cracolândia, em São Paulo.

Três semana após uma megaoperação policial na Cracolândia, no centro de São Paulo, a polícia voltou a agir na região. O governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria, ambos do PSDB, afirmaram que não será mais permitida a montagem de barracas por usuários de drogas.

Uma ação conjunta da Polícia Militar e da Prefeitura de São Paulo se concentrou desde as 6 horas da manhã deste domingo (11) na Praça Princesa Isabel. O local se tornou o novo endereço dos dependentes químicos que se concentravam, até o mês passado, a 500 metros dali.

Policiais militares da Força Tática e do Choque começaram a sitiar a praça no fim da madrugada. A ação contou com 550 policiais militares. Assim que perceberam a movimentação policial, muitos usuários de drogas e traficantes começaram a deixar a praça.

Fogueiras que tinham sido acesas durante a noite para ajudar a espantar o frio foram alimentadas pelos dependentes e o fogo atingiu barracos. Pelo menos um homem ficou ferido, com queimaduras no braço.

O secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, disse que o objetivo da operação foi acabar com a estrutura de tráfico de drogas montada no local.

Três pessoas foram detidas, sendo duas por tráfico.Denilson Santana dos Santos, de 23 anos, e Elenilson Lopes da Silva, de 39, carregavam 774 gramas de crack, R$ 1.596 e uma balança de precisão.

Eles foram autuados por tráfico de drogas no Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc). De acordo com investigadores,Denilson tinha passagem pela polícia por furto e Elenilson, por roubo.

Ação continuada

Um pouco antes das 9h, o governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria afirmaram à imprensa que o fluxo não voltaria mais para o antigo quadrilátero da Cracolândia. Algumas horas após a ação, no entanto, os usuários voltaram a ocupar o local.

Para ambos, a dispersão facilita a abordagem dos dependentes químicos pelos agentes sociais e dificultar a ação de traficantes. "Esse é um trabalho permanente, não vai resolver do dia para noite. Por que não haver concentração? Porque quando tem concentração você facilita a vida do traficante, atrai pessoas e dificulta a abordagem", afirmou Alckmin.

Doria ressaltou o enfrentamento ao Primeiro Comando da Capital (PCC), facção que controlava a venda de drogas na área. "Não tem recuo. Vamos continuar avançando em ação medicinal, urbanística e social", disse o prefeito.

O que não vamos permitir é instalação de equipamentos financiados pelo PCC. Acabou o shopping center ao ar livre. A Polícia Civil, Denarc, PM e GCM vão manter a ação de combate que já proporcionou redução no volume de vendas, que era de R$ 15 milhões por mês. Isso vai continuar.João Doria

De acordo com o prefeito, serão feitas ações contínuas "para que as pessoas possam ser acolhidas" e a área central reurbanizada, com habitação popular, creche e instalação hospitalar, "tudo em regime de parceria pública com investimentos privados".

Em vídeo postado no Facebook, Doria afirmou que 120 toneladas de lixo estavam sendo removidas da praça e que o local não seria reocupado.

No dia 21 de maio, operação com cerca de 900 agentes resultou na prisão de 38 pessoas, entre eles suspeitos flagrados em imagens de câmeras de segurança portando armas e realizando disparos contra policiais.

Na data, foi anunciado o fim do programa Braços Abertos, do ex-prefeito Fernando Haddad. O novo programa anticrack de Doria não estava pronto ainda.

Desde então, a gestão Doria buscou autorização judicial para recolher à força os usuários para internação compulsória, mas o pedido foi rejeitado pelo Tribunal de Justiça do Estado. Neste período, agentes de saúde e da área social seguiram com a abordagem individual de usuários para convencê-los a buscar tratamento médico.

Passo a passo da ação do governo Dória na Cracolândia

LEIA MAIS:

- Ação de Doria na Cracolândia é 'midiática', diz ex-coordenador do Braços Abertos

- Mulheres da Cracolândia - Cidadãs sem classe