POLÍTICA

2018 vem aí: Joaquim Barbosa admite chance de se candidatar à Presidência

Ex-presidente do STF admite já ter sondado partidos.

08/06/2017 11:03 -03 | Atualizado 08/06/2017 11:10 -03
EVARISTO SA via Getty Images
"Só que eu sou muito hesitante em relação a isso. Não sei se decidirei positivamente neste sentido", disse Barbosa.

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, diz não descartar uma possível candidatura à presidência da República, mas confessa hesitar "dar esse passo". A declaração foi dada na última quarta-feira (7) à noite no Supremo, após cerimônia de colocação de retrato na galeria de ex-presidentes da Corte.

Questionado por jornalistas sobre o apelo da sociedade em sair como candidato à Presidência, Barbosa respondeu que é "uma decisão difícil de tomar" e completou após ser indagado mais uma vez sobre a possibilidade:

Olha, eu sou cidadão brasileiro, cidadão pleno, há três anos livre das amarras de cargos públicos. Portanto, a decisão de me candidatar ou não está na minha esfera de deliberação.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, Barbosa chegou a conversar com líderes de partidos políticos e até com Marina Silva, mas que ainda hesita sobre o assunto.

"Só que eu sou muito hesitante em relação a isso. Não sei se decidirei positivamente neste sentido", disse Barbosa, finalizando o assunto.

O ex-ministro do STF também se posicionou a favor de uma alteração constitucional que possibilite as eleições diretas. "Já defendi isso, antes do impeachment. Naquele momento era constitucionalmente viável, mas faltou liderança para o país. Acho que o momento é muito grave. Caso ocorra a vacância do presidente da República, a decisão correta a tomar é essa".

"O Brasil precisa muito desta corte"

Também no evento, o ex-ministro afirmou que o combate à corrupção se deve a decisões tomadas no passado pela Corte e que o atual momento político do país é uma "revolução silenciosa".

"Eu não os invejo [ministros], eu não gostaria de estar aqui na Corte neste momento cataclísmico. Eu só diria o seguinte, o Brasil precisa muito dos senhores. O Brasil precisa muito desta Corte", acrescentou.

Após 11 anos como ministro do STF, Joaquim Barbosa pediu aposentadoria antecipada em julho de 2014. Ele foi o primeiro negro a presidir o STF e foi indicado ao cargo de ministro da Suprema Corte em 2003, no mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Destacado por sua condução como relator da Ação Penal 470, o processo do "Mensalão", Joaquim Barbosa já foi considerado uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, segundo a revista TIME de 2013.

LEIA MAIS:

- Por que a absolvição de Temer é dada como certa no TSE

Julgamento TSE chapa Dilma-Temer