LGBT

10 iniciativas sociais em prol da comunidade LGBT que você precisa conhecer

E acompanhar de perto.

09/06/2017 14:35 -03 | Atualizado 16/06/2017 15:41 -03

O Brasil vive uma crise ainda sem data para acabar. Um cenário em que a conquista de direitos por minorias políticas está constantemente ameaçada, na mesma medida em que pautas conservadoras seguem em pleno avanço no Congresso.

Em tempos como esses, o ativismo LGBT articulado por cidadãos comuns se torna fundamental para que essa comunidade deixe de ser silenciada e sistematicamente violentada no País.

Aproveitando a chegada da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que traz como tema Todas e todos por um Estado laico, o HuffPost Brasil reúne a seguir 10 iniciativas sociais em prol da comunidade LGBT em São Paulo e no Rio de Janeiro que você precisa conhecer de perto.

1. #VoteLGBT

Divulgação

O #VoteLGBT é um coletivo preocupado com a questão da representatividade LGBT na política estatal brasileira. O grupo promove campanhas pontuais, especialmente durante as eleições - sempre com ajuda de voluntários. Nas eleições de 2014, a iniciativa mobilizou a internet com o mapeamento de todos os candidatos com propostas pró-LGBT espalhados pelo país. O coletivo também se articula com outras organização da sociedade civil e ativistas que lutam em prol de outras minorias políticas - a fim de colocar a luta num cenário maior, pró-direitos humanos.

2. Casa 1

Divulgação

Idealizada pelo jornalista e ativista Iran Giusti, a Casa 1 foi inaugurada em janeiro deste ano após uma bem-sucedida campanha de financiamento coletivo. A república de acolhimento oferece abrigo para LGBTs que foram expulsos de casa, mas não só. Ela funciona também como um espaço de empoderamento da comunidade LGBT na capital paulista. Oficinas, saraus, shows, debates, cursos e festas compõem a intensa e extensa programação do local, sempre articulada com outros movimentos, coletivos e marcas pró-LGBT.

3. Gaymada São Paulo

Divulgação

Há pouco mais de um ano, a boa e velha queimada ganhou significado político na capital paulista. Inspirado em uma atividade semelhante que é realizada em Belo Horizonte, o jornalista Lucas Galdino criou a Gaymada São Paulo, uma versão da competição de rua voltada principalmente para LGBTs. Com regularidade mensal, os jogos "libertários, políticos e divertidos" reúnem jovens LGBTs na região do Largo da Batata, na zona oeste de São Paulo.

4. Grupo Nacional Mães Pela Diversidade

Divulgação

Presente em 14 Estados do Brasil, o coletivo foi criado há dois anos em São Paulo por um grupo de mães de jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Com o objetivo de combater a homotransfobia e conscientizar as famílias sobre o amor e o respeito, as integrantes do Mães Pela Diversidade compartilham suas experiências e promovem diálogos em Paradas LGBTs, eventos de cunho acadêmico e articulados por outros coletivos que lutam pela garantia de direitos civis para a comunidade LGBT.

5. Casa Nem

Divulgação

Cravado na Lapa, epicentro da boemia carioca, a residência é um porto seguro para transexuais, travestis e transgêneros em situação de vulnerabilidade social. Além de oferecer um espaço de acolhimento para essas pessoas, a Casa Nem faz militância em prol do respeito à diversidade por meio de festas, oficinas e debates.

6. English to Trans-form

Divulgação

Com a ajuda de professores voluntários, o English to Trans-form atua na promoção de igualdade social e de oportunidades para pessoas da comunidade trans. A iniciativa oferece curso de inglês gratuito em diferentes locais de São Paulo para mulheres e homens transexuais, pessoas em situação de vulnerabilidade social e que sofrem preconceito relacionado a gênero.

7. Cinemona

Divulgação

Cineclube com foco em produção audiovisual LGBT, o Cinemona promove exibições de filmes e rodas de conversas mensalmente na Casa 1, em São Paulo. Além de formação de público cinéfilo, o projeto propõe uma expansão do olhar do público a respeito da representação LGBT no cinema.

8. Festa Amem

Divulgação

Há pouco mais de um ano, a Festa Amem levanta a bandeira da cultura LGBT negra. O fervo de cunho sócio-político ocorre com regularidade semanal no centro da capital paulista sob temáticas que vão do abolicionismo ao afrofuturismo. Produzido por um coletivo de artistas e ativistas negros, a festa também propõe rodas de conversa sobre gênero, negritude, racismo institucional e questões que impedem a visibilidade da comunidade LGBT negra não só em São Paulo, mas em todo o Brasil.

9. Sarau Manas e Monas

Divulgação

Música, poesia, discussões sobre empoderamento feminino, diversidade de gênero e luta por igualdade de direitos da comunidade LGBT dão vida ao Sarau Manas e Monas. Criada por um coletivo de mesmo nome - pro jovens formados pela ETEC de Artes, a Escola Técnica de Artes de São Paulo - a iniciativa é focada no protagonismo de mulheres e LGBTs, mas convida toda a sociedade para o debate em prol da visibilidade de minorias políticas.

10. Cursinho Popular Transformação

Divulgação

A fim de combater o preconceito e a marginalização a que a população T é submetida diariamente, o Coletivo Transformação criou em 2015 o Cursinho Popular Transformação, que oferece aulas, oficinas e atividades educativas - focadas no Enem e outras provas - para pessoas transgêneras, travestis não binárias em São Paulo. Quem frequenta as aulas, de segunda à quinta, recebe ajuda de custo para alimentação e transporte.

Conhece outra iniciativa que poderia integrar essa lista? Deixe sua sugestão nos comentários. ;)

LEIA MAIS:

- O dia em que a primeira advogada trans discursou para o plenário do STF: 'Eu sou uma sobrevivente'

- Meu filho é gay e eu me tornei militante LGBT para combater a homofobia

LGBTfobia em 2017