POLÍTICA

Polícia Federal prende Henrique Eduardo Alves, ex-ministro de Temer

Prisão de ex-ministro do Turismo e ex-presidente da Câmara é um desdobramento da Lava Jato.

06/06/2017 09:27 -03 | Atualizado 06/06/2017 09:40 -03
Ueslei Marcelino / Reuters
Henrique Eduardo Alves sempre fez parte do núcleo de confiança do presidente e pediu demissão em junho do ano passado.

O ex-ministro do Turismo e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) foi preso na manhã desta terça-feira (6) pela Polícia Federal. O mandado de prisão foi expedido pela Justiça do Rio Grande do Norte como um desdobramento da Operação Lava Jato.

O ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que está preso em Curitiba, também é alvo de um mandado de prisão.

As prisões se baseiam em provas que apontam o pagamento de propina a Alves e Cunha em troca de favorecimento a duas empreiteiras, sendo uma delas a Odebrecht. A operação investiga corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro na construção da Arena das Dunas, estádio construído em Natal para a Copa do Mundo.

Segundo a Folha de S. Paulo, houve um sobrepreço de R$ 77 milhões na construção e os pagamentos foram feitos como doação eleitoral oficial, entre 2012 e 2014.

Henrique Eduardo Alves sempre fez parte do núcleo de confiança do presidente e pediu demissão em junho do ano passado após ser citado pelo ex-presidente de Transpetro Sérgio Machado em acordo de delação premiada. Ele foi o terceiro ministro a cair desde a posse de Temer.

O secretário do Turismo de Natal Fred Queiroz, também foi preso nesta terça, e o publicitário Arturo Arruda, cunhado de Alves, que foi alvo de condução coercitiva (quando alguém é levado a depor).

A operação foi batizada de "Manus", em referência ao provérbio "Manus Manum Fricat, Et Manus Manus Lavat", que significa uma mão lava a outra.

Ao G1, o advogado de Henrique Alves, Marcelo Leal, afirmou que tomou conhecimento da prisão pela imprensa e que, até o momento, não sabia de nada. "Vou tomar pé da situação e depois me pronunciou", disse ao telefone.

LEIA MAIS:

- O que é verdade e o que é mentira sobre a cassação da chapa Dilma-Temer

A mais grave crise do Governo Temer