ENTRETENIMENTO

Quase 6 meses após nomeação, aqui está discurso de Dylan para Nobel de Literatura

"Eu tinha princípios, sensibilidade e uma visão informada do mundo. Aprendi tudo na escola de gramática."

05/06/2017 18:43 -03 | Atualizado 05/06/2017 18:48 -03
TORSTEN BLACKWOOD via Getty Images
Aqui está discurso de Dylan para Nobel de Literatura.

Seis meses após a nomeação no Nobel de Literatura, Bob Dylan enviou à Academia Sueca o seu discurso de aceitação do prêmio.

A mensagem de quase 30 minutos foi classificada como "extraordinária" pela Academia. Agora, o artista poderá receber o prêmio de 8 milhões de coroas suecas (mais de 3 milhões de reais).

Dylan é o primeiro músico a ser homenageado na premiação. A Academia Sueca justificou a entrega ao cantor de 75 anos atribuindo a ele a criação de um novo modelo de expressão poética na tradição estadunidense.

Em seu discurso, ele citou os músicos que o inspiraram, como Buddy Holly, e os livros que impactaram a sua relação com a gramática, como Dom Quixote e Robinson Crusoe.

"Quando eu recebi esse Prêmio Nobel pela Literatura, eu fiquei me perguntando como minhas músicas se relacionavam com a literatura exatamente. Eu tive que refletir sobe isso e ver aonde estavam as relações [...] Ouvindo todos os artistas populares do início e cantando suas músicas, você capta a língua. Você a internaliza. Você ouve todas as sutilezas, e aprende os detalhes", explicou.

O artista destacou como ele e outros compositores são influenciados por outras obras em suas produções.

"Eu tinha princípios, sensibilidade e uma visão informada do mundo. Aprendi tudo na escola de gramática. Com 'Dom Quixote', 'Ivanhoé', 'Robinson Crusoe', 'As viagens de Gulliver', 'Uma história em duas cidades' e todo o resto - leituras típicas da gramática que lhe dão uma maneira de ver a vida, a compreensão da natureza humana e um padrão para medir as coisas. Peguei tudo isso comigo quando comecei a compor letras. E os temas desses livros entraram em muitas de minhas músicas, seja conscientemente ou sem intenção. Eu queria escrever músicas contrárias a qualquer coisa que as pessoas há tinham ouvido, e esses temas eram fundamentais."

O nome de Dylan estava sendo cotado havia algum tempo pela Academia. Poeta e autor de livros, o artista é reconhecido pelo lirismo e ineditismo de suas composições.

Sobre a relação com o prêmio, em seu discurso, ele chamou atenção para a diferença entre músicas e textos, apesar da grande capacidade de expressão artística de ambos formatos.

"Nossas músicas estão vivas na terra dos vivos. Mas músicas são diferentes da literatura. Elas são para ser cantadas, não lidas. As palavras das peças de Shakespeare eram para ser apresentadas no palco. Assim como as letras em canções são feitas para serem cantadas, ou não lidas no palco. E eu acredito que alguns de vocês tiveram a chance de ouvir essas músicas da maneira que devem ser ouvidas: em shows ou gravações ou de todas as formas que as pessoas estão ouvindo músicas atualmente."

LEIA MAIS:

- Os segredos das canções 'literárias' de Dylan estão desvendados neste livro
- Fotógrafo de Bob Dylan explica por que capa de 'Blonde on Blonde' saiu borrada

Bob Dylan: Através dos tempos