ENTRETENIMENTO

Série de TV indiana que expõe cultura do estupro está fazendo sucesso ao redor do mundo

Mais de 400 milhões de pessoas já viram 'Eu, uma mulher, posso conquistar qualquer coisa'.

03/06/2017 15:27 -03 | Atualizado 03/06/2017 15:49 -03
Divulgação
Atriz Meinal Vaishnav interpreta a protagonista da trama, a Dr. Sneha Mathur.

Violência doméstica, casamento infantil e ataque com ácidos são alguns temas densos abordados de forma inédita pela série indiana Main Kuch Bhi Kar Sakti Hoon, ou Eu, uma mulher, posso conquistar qualquer coisa, em português.

Com ares de novela, a produção tem feito enorme sucesso na Índia e no Oriente Médio, tornando-se recentemente uma das séries de TV mais assistidas do mundo. Já são mais de 400 milhões em 50 países de espectadores, segundo os produtores da rede de TV indiana Doordarshan.

Lançada em 2014, a série acompanha a história de Sneha Mathur (Meinal Vaishnav), uma jovem médica que deixa seu emprego numa metrópole para trabalhar no vilarejo onde nasceu.

Por meio da protagonista, o público toma contato com o retrato diferentes práticas que revelam o machismo, a cultura do estupro e a discriminação entre gêneros que ainda assolam o país.

Como informa o jornal O Globo, em um dos episódios da trama, a irmã de Sneha é obrigada a fazer um aborto tardia por conta do sexo do bebê (uma menina) e morre durante o procedimento.

Já em outro episódio da produção, outra irmã da protagonista é alvo de um ataque a ácido após se juntar a um time de futebol misto.

Outro assunto que a atração discute com ousadia no país é a sexualidade dos jovens. A trama expõe questões ligadas à adolescência e toca nos tabus relacionados à menstruação (vista como impureza) e masturbação (tida como algo não natural).

Eu, uma mulher, posso conquistar qualquer coisa tem 170 episódios lançados até agora. A primeira temporada está disponível na íntegra no YouTube (sem legendas em português).

Assista no player abaixo:

LEIA MAIS:

- Na Índia, grupo de teatro quer quebrar o silêncio sobre violência sexual

- Indiana de 15 anos morre após ser estuprada e queimada viva

Famosas contra cultura do estupro e violência doméstica