NOTÍCIAS

Um dia depois de aval, Justiça impede gestão Doria de remover à força dependentes químicos da Cracolândia

A prefeitura pretendia remover à força os usuários para que um médico avaliasse a necessidade de internação compulsória.

28/05/2017 18:30 -03 | Atualizado 28/05/2017 18:30 -03
Reprodução
Na decisão de hoje, o desembargador Reinaldo Miluzzi considerou relevantes os fundamentos do Ministério Público e da Defensoria Pública para derrubar a medida da prefeitura paulistana.

Por Camila Boehm, repórter da Agência Brasil

A Justiça derrubou hoje (28), a pedido do Ministério Público de São Paulo e da Defensoria Pública do estado, a decisão que autorizava a prefeitura de São Paulo a conduzir compulsoriamente – contra a vontade da pessoa – usuários de drogas da região da Cracolândia para avaliação médica.

A prefeitura pretendia remover à força os usuários para que um médico avaliasse a necessidade de internação compulsória. Caso o médico recomendasse a internação, seria necessária autorização judicia, procedimento já adotado atualmente.

Na decisão de hoje, o desembargador Reinaldo Miluzzi considerou relevantes os fundamentos do Ministério Público e da Defensoria Pública para derrubar a medida da prefeitura paulistana.

"Como bem asseverado em ambos os recursos, o pedido [da prefeitura] é impreciso, vago e amplo e, portanto, contrasta com os princípios basilares do Estado Democrático de Direito, porquanto concede à municipalidade carta branca para eleger quem é a 'pessoa em estado de drogadição vagando pelas ruas da cidade de São Paulo'", declarou o juiz.

O desembargador também retirou o segredo de Justiça do processo.

LEIA MAIS:

- Drauzio Varella rebate prefeitura de SP sobre internação compulsória: 'Meu nome foi usado indevidamente'

Os livros prediletos de João Doria (PSDB)