ENTRETENIMENTO

Pão de Açúcar, Renato Aragão e Fernanda Lima: As 3 passagens de Roger Moore pelo Brasil

Ator britânica famoso pela interpretação do espião 007 morreu nesta terça-feira (23).

23/05/2017 18:04 -03 | Atualizado 23/05/2017 18:05 -03

Roger Moore morreu nesta terça-feira (23). Ele tinha 89 anos e fazia tratamento contra um câncer. O ator britânico ficou conhecido por interpretar o personagem James Bond no cinema.

Substituto de Sean Connery nas produções da franquia 007, ele foi quem mais vezes interpretou no cinema o famoso agente secreto criado por Ian Fleming. Foram sete filmes - realizados entre 1973 e 1985.

A família de Moore anunciou a morte do ator via Twitter e afirmou estar devastada. Seus filhos Deborah, Geoffrey e Cristian informaram que corpo será velado em uma cerimônia privada em Mônaco.

Após quatro casamentos, o astro estava desde de 2002 com Kristina Tholstrup.

Eric Gaillard / Reuters

Leia o comunicado da família abaixo:

"Com grande tristeza, temos de anunciar que nosso querido pai, Sir Roger Moore, morreu hoje na Suíça, depois de uma breve, mas corajosa batalha contra o câncer. O amor pelo qual foi cercado em seus últimos dias foi tão grande que não pode ser medido em palavras. Sabemos que nosso amor e admiração serão ampliados muitas vezes em todo o mundo por pessoas que o conheceram por meio de seus filmes, de seus programas de televisão e por seu apaixonado trabalho com o UNICEF, que ele considerava sua maior conquista. O carinho que nosso pai sentia cada vez que pisava no palco ou se colocava diante de uma câmera o incentivou a continuar trabalhando com 90 anos, com sua última aparição em novembro de 2016, no palco do Royal Festival Hall de Londres. A multidão o aplaudiu, dentro e fora do palco, sacudindo os pilares do edifício, localizado a uma curta distância de onde nasceu. Obrigada papai, por ser você e por ser tão especial para tantas pessoas"

Moore nasceu em Londres em 1927, começou a carreira como modelo e trabalhou no mercado da moda até o começo dos anos 1950. Após assinar contrato com a MGM, fez alguns filmes sem muito sucesso.

O início da fama veio após interpretar Ivanhoé na série britânica O Santo, na década de 60, e Brett Sinclair, na produção The Persuaders. O primeiro contato com o personagem de Ian Fleming foi com o filme Só Viva e Deixe Morrer.

Outros seis longas foram realizados na sequência: 007 Contra o Homem Com a Pistola de Ouro, 007 - O Espião Que Me Amava, 007 Contra o Foguete da Morte, 007 - Somente para Seus Olhos, 007 Contra Octopussy e 007 Na Mira dos Assassinos.

Além do trabalho no cinema, Moore realizava inúmeras ações para arrecadar fundos em prol de pessoas necessitadas ao redor do mundo. Por conta disso, em 1991 ele se tornou embaixador da Unicef.

Por conta de seu trabalho junto à ONU, em 1999, Moore foi condecorado cavaleiro do império britânico pela Rainha Elizabeth II e passou a ser chamado de Sir. Além dos filmes no papel do famoso espião, o astro britânico participou de mais de 40 outros filmes.

Passagens pelo Brasil

Roger Moore já esteve três vezes no Brasil em ocasiões bem distintas.

A primeira passagem do astro por aqui foi em 1979 para as gravações de 007 Contra o Foguete da Morte. Nos bondinhos do Pão de Açúcar, no Rio, o ator protagonizou uma das lutas mais clássicas de todos os filmes de James Bond. Na trama, ele enfrentava o vilão Dentes de Aço (Richard Kiel).

Em 1991, o ator retornou ao Brasil. Desta vez ele desembarcou em Fortaleza onde - ao lado do ator Renato Aragão (primeiro embaixador da Unicef no País) - foi testemunha de um acordo entre o Governo e o Fundo das Nações Unidas. A aliança tinha como objetivo ajudar crianças, adolescentes e mulheres que viviam em situação de risco no Ceará.

Em setembro do ano 2000, Moore voltou ao Brasil para uma breve temporada no Castelo de Caras. Lá conheceu celebridades brasileiras, empresários, além da apresentadora Fernanda Lima - com quem protagonizou a capa de uma edição da revista.

Reprodução

LEIA MAIS:

- Que hinos! Celine Dion e Cher emocionam o público no Billboard Music Awards

- Turnê de É o Tchan com Molejão reacendeu a esperança por um Brasil melhor

31 grandes artistas em seus estúdios