MUNDO

Atentado após show de Ariana Grande deixa 22 mortos em Manchester

Mais de 50 pessoas ficaram feridas após explosão.

23/05/2017 10:58 -03 | Atualizado 23/05/2017 11:27 -03

Um terrorista suicida provocou, na noite dessa segunda-feira (22), a morte de 22 pessoas, entre elas adolescentes, ao explodir um artefato de fabricação caseira perto da Manchester Arena, informou hoje (23) a polícia britânica.

O ataque, que ocorreu por volta das 21h35 (horário local, 18h30 em Brasília), ao final de um show da cantora americana Ariana Grande, deixou ainda 59 pessoas feridas, segundo o chefe de Polícia de Manchester, Ian Hopkins.

"Posso confirmar que há adolescentes entre os mortos", disse Hopkins, em entrevista divulgada pela Agência EFE.

O agente informou ainda que a investigação procura estabelecer se o responsável pelo ataque "agiu sozinho ou como parte de uma rede" terrorista. "Acreditamos que o autor levava um artefato explosivo que ele detonou, causando essa atrocidade", afirmou Hopkins.

"As famílias e muitos jovens estavam em um show na Manchester Arena e morreram. Os nossos pensamentos estão com as 22 pessoas que morreram, as 59 que ficaram feridas e seus entes queridos", disse.

A ministra britânica do Interior, Amber Rudd, qualificou o atentado de barbárie e disse que ele foi destinado a atingir as pessoas "mais vulneráveis da sociedade" e provocar o temor, mas destacou que não o conseguirão.

A titular do Interior pediu à população que se mantenha alerta, mas não alarmada, e que se tem alguma coisa para denunciar, que entre em contato com a polícia.

Líderes mundiais se manifestam

A primeira-ministra do Reino Unido, a conservadora Theresa May, condenou nesta terça-feira (23) o que chamou de "atroz ataque terrorista".

A chefe do governo britânico expressou solidariedade às vítimas e às famílias dos atingidos e confirmou que a polícia está tratando o incidente como atentado. "Estamos trabalhando para estabelecer todos os detalhes", disse May.

O prefeito de Manchester, o trabalhista Andy Burnham, também expressou condolências às vítimas da explosão na Manchester Arena. "O meu coração está com as famílias que perderam seus entes queridos e a minha admiração com os valentes serviços de emergência. Foi uma noite terrível para a nossa cidade", afirmou Burnham em sua conta no Twitter.

Em mensagem à primeira-ministra britânica, Theresa May, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, reiterou a disposição de Moscou de incrementar a cooperação com Londres na luta contra o terrorismo.

"Condenamos energicamente esse crime cínico e desumano. Acreditamos que seu organizador não evitará o castigo que merece", escreveu Putin a May, segundo a Presidência russa.

A União Europeia (UE) se solidarizou com as vítimas do atentado. "O meu coração está em Manchester. Todos os nossos pensamentos com as vítimas", escreveu, no Twitter, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Em comunicado, a chanceler Angela Merkel assegurou ao povo do Reino Unido que a Alemanha está do seu lado. "É inconcebível que alguém use um alegre show de música pop para matar muita gente ou causar ferimentos graves. Penso nas vítimas e em todos os afetados, bem como nas suas famílias e em seu desespero e na sua dor", acrescentou Merkel.

"O atentado fortalecerá nossa decisão de continuar lutando, ao lado dos nossos amigos britânicos, contra todos aqueles que planejam e realizam esses atos infames", disse ainda a chanceler.

Turnê cancelada

A cantora pop americana Ariana Grande, de 23 anos, suspendeu por tempo indeterminado sua turnê mundial Dangerous Woman após o massacre. De acordo com o site TMZ, ela não fará o show desta quinta (25) em Londres.

A cantora se manifestou no Twitter:

"Arrasada. Do fundo do meu coração, eu sinto muito, não tenho palavras."

"Nós choramos as vidas das crianças e entes queridos tomados por este ato covarde. Pedimos a todos vocês para que abrace as vítimas, seus familiares e todos os afetados em seus corações e em oração", disse Scooter Braun, agente da cantora, ao TMZ.

LEIA MAIS:

- O maior mural de grafite da Síria é obra de artistas brasileiros e crianças refugiadas

- Na Somália, nova lei pode finalmente dar uma voz às sobreviventes de estupro

5 clipes de Ariana Grande