MUNDO

A generosidade e o heroísmo que tomaram Manchester após ataque que matou 22 pessoas

Taxista fez corridas de graça. Morador de rua confortou vítima antes de morrer em seus braços. Uma mulher resgatou mais de 50 crianças.

23/05/2017 12:46 -03 | Atualizado 23/05/2017 13:17 -03

O atentado do grupo extremista Estado Islâmico que matou 22 pessoas e deixou 59 feridos na noite de ontem (22), no final do show da cantora Ariana Grande, em Manchester, gerou uma onda de solidariedade e heroísmo na cidade inglesa.

Taxistas, hotéis, estabelecimentos e templos fizeram uma força-tarefa para ajudar os primeiros socorros de feridos e confortar pessoas que perderam amigos e parentes no ataque, que foi uma espécie de "vingança" dos jihadistas às ações militares em países muçulmanos. O autor do atentado morreu na explosão de uma bomba de fabricação caseira na área da bilheteria da Manchester Arena, no fim do concerto.

De acordo com a agência Ansa, ao menos 12 crianças e adolescentes estão internadas em estado grave em hospitais de Manchester. Até o momento, duas jovens morreram: Georgina Callander, de 18 anos, e Saffie Rose, que tinha apenas oito anos. Dezenas de crianças e adolescentes continuam desaparecidas.

Logo após a explosão, a área foi isolada pelos seguranças e as ações de solidariedade começaram a aparecer.

Primeiros socorros

Templos Dourados, da religião sikhismo, ofereceram comida e acomodações para parentes de vítimas e feridos.

"Templos Dourados em Manchester oferecem comida e acomodação. Eles estão abertos para TODAS as pessoas, não se preocupem, pessoas estão ajudando cada um."

Corridas de graça

Um taxista decidiu trabalhar de graça e ofereceu corridas sem custos para pessoas que precisavam chegar ao local ou que precisavam ir para outros lugares.

Solidariedade nas redes

As pessoas também utilizaram as redes sociais para tentar localizar amigos e parentes desaparecidos. Uma imagem com telefones de emergência, de hotéis que ofereceram abrigos e hashtags para utilizar ao encontrar alguém, entre outras informações, começou a ser compartilhada.

💔

Uma publicação compartilhada por Holly Willoughby (@hollywilloughby) em

Em um tuíte, uma adolescente pedia para pessoas encontrarem sua amiga que estava no show e acabaram se perdendo com o tumulto. Um outro usuário a encontrou e informou que ela estava em um lugar seguro.

"Minha amiga Heather estava no show da Araina. Ela está usando um moletom amarelo e eu não consegui ficar com ela. Se alguém a encontrá-la, me avise, por favor."

"@RileyBlackery ela está segura, nós estamos no Premier Inn agora, na rua Medlock, nós a vimos na rua e a bateria do celular dela tinha acabado. Estamos com ela nesse momento."

Hotéis de portas abertas

Os hotéis da região também se solidarizaram e receberam os feridos e parentes.

Heróis de Manchester

Um dos atos mais emocionantes, porém, foi feito por um morador de rua na noite do atentado. Chris Parker, de 33 anos, entrou no Manchester Arena para ajudar as vítimas e confortou uma mulher até a sua morte.

Segundo o site inglês The Independent, Parker costumava pedir esmolas perto do local quando viu a explosão. Em vez de fugir junto com as centenas de pessoas que corriam para fora da arena, o morador de rua decidiu entrar e ajudar as vítimas.

Ele ajudou a retirar uma menina que perdeu uma das pernas com a explosão e, depois, tentou ajudar uma mulher, que sofreu sérios ferimentos. Ela acabou morrendo nos braços de Parker.

A inglesa Paula Robinson, 48, também virou notícia em Manchester por ter ajudado mais de 50 adolescentes e crianças a se esconder em hotel logo após o ataque.

Ela estava na estação de trem Victoria, perto da arena, quando sentiu a explosão e viu dezenas de meninas gritando e correndo para a rua. Ela não pensou duas vezes e levou as adolescentes para um hotel próximo, onde emprestou seu celular para contatar os parentes e prestar os primeiros cuidados.

Robinson usou o Facebook para dar notícias sobre as meninas: "Estamos com aproximadamente 50 crianças esperando para se encontrarem com seus responsáveis. Elas estão seguras e estamos de olho nelas."

Homenagens nos gramados

Os clubes Manchester United e o Manchester City fizeram homenagens às vítimas do atentado.

#WeStandTogether

Além destes atos, artistas e usuários fizeram uma enxurrada de apoio e homenagens nas redes sociais com as hashtags #WeStandTogether e #PrayforManchester. Ariana Grande foi uma das primeiras a comentar.

"Arrasada. Do fundo do meu coração, me desculpem. Eu não tenho palavras."

LEIA MAIS:

- Atentado após show de Ariana Grande deixa 22 mortos em Manchester

- Artistas lamentam ataque em show de Ariana Grande: 'Pior pesadelo' de qualquer cantor