POLÍTICA

Jair Bolsonaro: 'Sou o Neymar da política. Todos me querem'

Em entrevista exclusiva ao HuffPost Brasil, presidenciável falou sobre o assédio dos partidos políticos, as polêmicas e a perseguição da imprensa.

22/05/2017 12:04 -03 | Atualizado 22/05/2017 12:39 -03

Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Um homem polêmico, #chateado e crítico ferrenho dos direitos humanos.

Militar da reserva, Jair Messias Bolsonaro (PSC-RJ) é deputado federal desde 1991. No segundo ano do seu sétimo mandato, as pesquisas para eleições de 2018 já o transportam do Legislativo para a realização de um sonho: o comando do Executivo. Presidente Bolsonaro — o que chega a causar temor para alguns é a aposta de 15% do eleitorado, segundo Datafolha, melhor resultado já aferido. Só perde para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (30%).

Os números não lhe causam surpresa. "Acho que é questão de coerência", diz. Em razão disso, o político tem sido assediado por diversos partidos, mais recentemente pelo Muda Brasil - legenda que busca agilidade pelo registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), idealizado pelo delator do mensalão, ex-deputado Valdemar Costa Neto. "Todos me procuram. Sou a virgem da praça. (...) Sou o Neymar da política, quer queira quer não. Não sei como vai ser amanhã, mas hoje em dia todos me querem."

A declaração de que todos o querem, entretanto, não vale para o Congresso. Bolsonaro sabe da resistência dos colegas. Por isso, não se arrisca a lançar candidatura neste momento em que o cenário mais provável é de eleições indiretas, caso o presidente Michel Temer deixe o comando do País. "Não tenho um grande apoio entre os parlamentares e não vou concorrer para pagar um mico", disse em suas redes sociais, uma semana após entrevista ao HuffPost Brasil.

Na conversa com a reportagem, no último dia 9 de maio, antes da notícia da delaçã-bomba da JBS que implica o presidente, Bolsonaro foi combativo. Chateado, se diz perseguido pela imprensa. "Só cego não vê. É igual ao Trump, só cego não vê. O Doria vai para a Coreia do Sul e é matéria de capa, eu vou para Israel e ainda levo pancada como se estivesse usando dinheiro da Câmara para viajar", queixa-se.

Apesar de estar nitidamente incomodado com o tratamento que vem recebendo da imprensa, Bolsonaro é didático e paciente para explicar seu ponto. Se sente acuado quando é questionado sobre planos para a economia e já elegeu "todos eles" como adversários, de Lula a Doria. Talvez só Ciro Gomes se salve dessa. "Se o Ciro Gomes aparecer para conversar, bato papo numa boa. Acho que votei nele para presidente."

Com um sorriso no rosto, ele discorre como quem tem total domínio sobre a política armamentista e o projeto da Escola Sem Partido. Os direitos humanos? Esses, na avaliação dele, merecem um "cavalo de pau". Isso porque "não temos que ter privilégio no Brasil, nem para índio, nem para brancos, nem para negros, para gays ou ninguém, somos todos brasileiros". E as mulheres, público com menor índice de intenção de votos no deputado? Essa resistência, ele minimiza: "A cada pesquisa que sai, que eu acompanho, aumenta o percentual de apoio de mulheres. Elas vão cair na real".

Leia os principais trechos da entrevista:

HuffPost Brasil: A que o senhor atribui seu desempenho nas pesquisas eleitorais?

Jair Bolsonaro: Os outros já foram presidente da República, presidente da Câmara, senador, ministro de Estado, realmente eu sou o patinho feio da história. Ao que isso deve? Acho que é questão de coerência. Uma linha que eu adotei: não se envolver em nada errado, não andar com péssimas companhias e ter uma proposta para o País.

Qual é essa proposta?

Eu tenho falado que um povo que tem uma terra como essa aí (mostra um mapa de minérios pendurado na sala) não pode ser pobre. É o mapeamento geológico. Há 10, 15 dias, a Folha de S.Paulo ficou uma hora conversando comigo e fizeram a pauta sobre o nióbio, saiu domingo (14) a matéria esculachando comigo, me chamando de ignorante, incompetente, dizendo que o Brasil não precisa se preocupar com o nióbio que o mundo já está abastecido, que eu desconheço o que eu tô falando, que o meu mapa é da ditadura militar. Isso que o cara fez, esse é mais ou menos o retrato da imprensa brasileira. Como a Folha tem simpatia por um candidato do PSDB e não pode elevar esse cidadão ao nível que eu estou, tenta recalcar os demais.

Essa é a sua proposta para a economia?

Primeiro, é preciso se libertar das amarras do Mercosul, partir para o bilateralismo, fazer comércio com o mundo todo e adotar alguns parceiros prioritários. Por exemplo, eu adotaria os Estados Unidos. Você vê a Base de Alcântara, não pode ficar impedida de funcionar por causa de uma comunidade quilombola. Não dá. Atrapalha os dois lados. A comunidade não se expande, não evolui, e uma base do lado que também não pode ter projetos com mais seriedade porque tem a pressão de invasão. Outra coisa: o Brasil fez um acordo com a Ucrânia no passado, que ela estava no guarda-chuva da Rússia, quando a Rússia mostrou para a Ucrânia que não era bem assim, a Ucrânia foi obrigada a sair, o Brasil jogou um dinheirão fora e estamos aí com uma Base de Alcântara... Inclusive, nós lançamos um satélite agora e foi fora do Brasil. Não tem cabimento. Estava aqui até a última legislatura o deputado Domingos Dutra (PT-MA), não foi reeleito, mas tinha um projeto dizendo que 20% do lucro do lançamento de satélites ia para os quilombolas. Ah, meu Deus do céu, o que é isso? Não temos que ter privilégio no Brasil, nem para índio, nem para brancos, nem para negros, para gays ou ninguém, somos todos brasileiros. O lucro de Alcântara tem que reverter para todo mundo e ali, a comunidade quilombola, não tem nada de mais ficar ali, só não pode ameaçar. Quando você fala em economia, economia, em primeiro lugar, é o Estado não atrapalhar você que quer produzir. Por que não jogar pesado para estimular o turismo que mexe com 10% do PIB do mundo?

Não temos que ter privilégio no Brasil, nem para índio, nem para brancos, nem para negros, para gays ou ninguém, somos todos brasileiros.

Como?

Para isso, tem que dar um cavalo de pau na política de direitos humanos. A política de direitos humanos não tem que ser essa que está aí. Se você sofrer uma violência, eu vou ser solidário a você, vou fazer o possível para ir atrás de quem fez maldade contigo e punir esse cara. Até para dar de exemplo para outros não fazerem besteira, mas a política de direitos humanos no Brasil basicamente está voltada para defender interesses de bandido.

Política de direitos humanos no Brasil só defende bandido. Tanto é que o cara faz uma besteira qualquer aqui, assalta, sequestra, rouba, vai para a delegacia... Nem delegacia é mais, é audiência de custódia. Querem saber se o PM maltratou o cara. Por que audiência de custódia? Nós todos somos obrigados a cumprir lei, audiência de custódia não é lei. É um presidente da República fraco, ele tem que mexer nisso aí, tem que cuidar da integridade do seu povo. Não tem discussão. O preso está mal acomodado? Problema dele. É só não sequestrar, não matar, não estuprar que ele não vai para a antessala do inferno. Preocupação? Inclusive a ONU com a comunidade carcerária. Hoje são 600 mil. Nos Estados Unidos, seis milhões. Eu, quando chegar lá, vou passar os Estados Unidos. Lugar de vagabundo é atrás das grades, ou vai deixar estuprando mulheres por aí?! Aí vem umas idiotas, feministas, com bandeirinhas dizendo que nós temos que investir em coisa diferente do que eu proponho, como punir com rigor os marginais.

O preso está mal acomodado? Problema dele. É só não sequestrar, não matar, não estuprar que ele não vai para a antessala do inferno.

As mais resistentes a seu nome para presidente são justamente as mulheres. Como conquistar esse eleitorado?

A cada pesquisa que sai, que eu acompanho, aumenta o percentual de apoio de mulheres. Elas vão cair na real. Falaram que eu sou contra mulher. Onde está escrito que eu disse que mulher tem que ganhar menos que homem? Onde você viu isso? Escrito não, porque idiotas escreveram. Me aponte um vídeo, um áudio meu falando isso. O jornal Zero Hora inventou isso. Um jornal chapa branca, que comia na mão do Tarso Genro. Esse mesmo jornal inventou aquela brincadeira com a Maria do Rosário.

Elas vão cair na real.

O senhor se sente perseguido pela imprensa?

Só cego não vê. É igual ao Trump, só cego não vê. O Doria vai para a Coreia do Sul e é matéria de capa, eu vou para Israel e ainda levo pancada como se estivesse usando dinheiro da Câmara para viajar. Ninguém me liga para perguntar o que eu vi em Israel, para falar como é a agricultura lá, que podemos fazer no semiárido nordestino. Lá a precipitação pluviométrica é menor que no Nordeste e lá tem garantia alimentar e ainda exportam para a Europa. Fui ver a criação de peixe no deserto. O israelense está louco para contribuir conosco. Há uns dois anos, quando nem sonhava em ser candidato - assim como não sou. Sonho em disputar a convenção de 2018 - disse ao cônsul de Israel que se eu chegasse lá exploraria diversidade com eles no Amazonas. Estamos jogando isso fora.

Nem sonhava em ser candidato, assim como não sou. Sonho em disputar a convenção de 2018.

Quando vou para o interiorzão do Brasil, eu mostro o que está acontecendo. Estão demarcando uma terra indígena agora em Miracatu, São Paulo, montanhas de grafite, demarcadas como terras indígenas para índios do Paraguai. (...) Dá para a gente pensar em Brasil grande dessa forma? Não dá. Tive agora em Goiás, Niquelândia, não é a toa que o nome da cidade é Niquelândia. Quem explora o níquel lá? A China. Quem explora o nióbio em Catalão, no Goiás? A China.

A ideia seria um governo como o norte-americano de incentivar o fechamento das fronteiras?

Cuidado com esse linguajar "fechar". Temos duas coisas para discutir. Uma é esse projeto que abre as fronteiras do mundo. Outro dias critiquei a questão dos haitianos da tribuna da Câmara e um cara lá embaixo disse que eu estava criticando porque era negro. Eu falei: "Ô, idiota, você acha que algum sueco ia querer vir para este país aqui?". O IDH lá em cima, com segurança, saúde, educação, tem tudo. Vai querer vir para cá fazer o quê? Vem passear, fazer turismo sexual talvez, vem fazer outra coisa qualquer. A questão de abrir fronteiras. E não é fechar; nós temos que investir em tecnologia, onde aplica o nióbio, o grafite, o níquel? Nós temos que pesquisar, transformar isso em nota fiscal. Nós estamos perdendo o bonde da História. E alguns me criticam, dizem que só falo em nióbio e grafite. São aqueles caras, ou são ignorantes ou a serviço de empresas que nos exploram.

Seria uma política geradora de emprego?

Além de gerar emprego, você ajuda a trazer recursos para cá. (...) Tenho mais coisa para falar sobre economia. Um exemplo de economia para nós é o Paraguai. Estou para ir lá ver. O que o governo fez depois que mandou embora aquele picareta do Lugo - tão picareta quanto Lula, Dilma, Morales, Maduro entre outros? Botaram para correr o cara, em 72 horas fizeram impeachment lá. O que ele (Horario Cartes, atual presidente paraguaio) fez? Simplesmente acabou com aquelas barreiras comerciais de exportação. O país vai exportar sem imposto. Ouso dizer para você que daqui a pouco teremos produtos aqui fabricados na China que conseguiram mais barato no Paraguai, porque está aqui do lado. Nós temos que pensar no Brasil grande, em infraestrutura.

Alguns idiotas falam que Bolsonaro não entende de economia. Eu falo: "olha, os cinco presidentes militares, os cinco generais, foram formados em artilharia, infantaria e cavalaria e eles pegaram o Brasil de 49ª economia do mundo e entregaram em 8ª". O Itamar Franco também não entendia de economia, muito menos o FHC, um sociólogo, que era amigo de Fidel Castro, entre outros, foi feito um plano econômico e o Itamar que não entendia de economia se tornou o pai do plano Real.

Sobre o desarmamento...

Este é um assunto que eu sou apaixonado pela legislação americana. Hoje só o cidadão de bem que não tem, é quase impossível para vocês [mulheres] ter um arma para se defender. Falam em defender a mulher. Quem defende a mulher é ela. Apesar dos meus 62 anos, se você não tiver uma atividade esportiva marcial, acho que na pancada eu ganho de você. Agora se você tiver uma arma na cintura, você segura o Mike Tyson, o Maguila, o Aldo. Se alguém com esse porte físico quiser fazer uma besteira com você, não vai fazer. O armamento mais que assegura a sua vida, é a garantia da liberdade e democracia de um país. Toda ditadura foi precedida por campanha desarmamentista. E o PT tinha isso no seu sonho e ainda tem na sua meta política. A arma na mão de quem quiser sendo um bom cidadão, a posse tem que dar, o porte tem que ser flexibilizado e muito. Nós vamos diminuir a violência.

O armamento mais que assegura a sua vida, é a garantia da liberdade e democracia de um país.

Mas e o caso dos tiroteios em escolas dos Estados Unidos?

Mas tivemos Realengo no Brasil. E pera aí, eles vão e atiram em áreas livres de arma de fogo. Tanto é que tem escola que está autorizando as pessoas armadas, duvido que esse malucos vão para essas escolas onde tem professor armado. Não vão. Se são malucos, por que não invadem o quartel da Marinha americana e atiram lá dentro? Eles querem é o terror. Você vê que o terrorismo no mini-manual de terrorismo do Marighella, cujo motorista foi Aloysio Nunes Ferreira (PSDB, ministro das Relações Exteriores). Ele ensina como levar o pânico e o terror pela sociedade. E outra: morre mais gente por arma de fogo ou acidente de carro? Vamos então acabar com os carros no Brasil. Simples. De vez em quando a pessoa não morre na mesa de cirurgia? Vamos acabar com a cirurgia. Dizem que vai ter mais crime passional, a não ser que haja um flagrante, a não ser isso, o cara quer matar a mulher coloca chumbinho, ela bota água quente nas orelhas dele.

Como estão as conversas com o Muda Mais?

Como é que eu vou entrar no seu barco se ele não existe? Não existe partido militar também. Todos me procuram. Sou a virgem da praça. Chegam aqui coisas que não prestam, mas outras que eu concordo como a cláusula de barreira. Tem muito partido ali na zona do agrião, como a gente chama no futebol, que vão acabar em 2018, podem ser rebaixados se não tiverem 2% dos votos e eu sou o Neymar hoje em dia da política, quer queira quer não. Não sei como vai ser amanhã, mas hoje em dia todos me querem, Muda Brasil me quer, PHS, PR, Partido Militar. Agora Reinaldo Azevedo, um tucano até o pescoço dizendo que eu tô indo para o partido do Valdemar da Costa Neto?! Prefiro o partido do Valdemar ao PSDB com tanta gente citada na Lava Jato... Se tivesse que fazer opção e eu não tenho que fazer opção.

Sou o Neymar hoje em dia da política, quer queira quer não.

O senhor homenageou o coronel Ustra no voto favorável ao impeachment e, por isso, recebeu diversas críticas. Faria isso de novo?

João 8:32 diz: "reconheceis a verdade e a verdade os libertará". O coronel Brilhante Ustra de 1970 a 1974 estava no olho do furacão. Ele aqui e do outro lado tinha José Dirceu, tinha Dilma Rousseff, Franklin Martins. Nessa história, em qual lado você estaria? Esse pessoal treinava em Cuba, na Coreia do Norte, na China comunista e vivia em Cuba para lutar por democracia. Só um imbecil para acreditar nisso. Graças a Deus houve o bom trabalho realizado por esse coronel.

E as acusações? Torturador, olha a política da intimidação. Eles aprenderam o que na China comunista ou em Cuba? Boas maneiras? Corte e costura? Direitos Humanos? Aprenderam o quê? Aprenderam o terror para através dele chegar ao poder. Perderam, se vitimizam, atrás de compaixão, voto e poder. Então, entre esses dois, devemos e vocês da mídia devem a liberdade que temos hoje a gente como o coronel Brilhante Ustra.

A gente que teve coragem de ir às ruas contrários ao governo de João Goulart. As mulheres na rua, a OAB nas ruas, toda mídia, exceto jornal Última Hora, padres, produtores rurais pedindo que alguém assumisse o País com as terras jogadas para reforma agrária. Os empresários, ninguém queria, tanto que o Congresso cassou João Goulart. Não foi golpe.

Tanto estou com razão que há três anos um projeto do PSol anulou a sessão que cassou João Goulart. Enquanto Lênin apagava fotos, a esquerdalha brasileira apaga fatos. Vamos colocar a verdade na mesa. Teve excesso? Teve. Onde é que não tem? Nós cometemos excesso com nossas filhos, nossas esposas, já cometi excesso. Falei o que não devia falar para ela, ela já falou o que não devia para mim também. Ela já deu castigo na nossa filha que achei que não devia dar. Acontece. Quem dirá em um país enorme como o nosso.

Por que senhor não se posicionou no voto do projeto que ampliou a terceirização?

Coloquei abstenção. Você vai me julgar por um voto?

Não estou julgando o senhor...

(sobe o tom) Um voto aprovava o outro projeto, aprovava a [matéria] do Senado. Votei favorável à reforma trabalhista. O meu voto aqui, quem não gosta de mim sabe tudo aqui. Esses dias eu perguntei para um deputado qual a cor da minha cueca, só faltava me dizer isso. Pega um voto... ele se absteve. Um voto abstenção pode ser necessário para aproveitar ou rejeitar uma matéria porque alcança o quórum de 257.

Não foi um ataque, deputado...

Desculpe a minha... (pensa) Eu não sou agressivo também, não. Eu sou... Como dizem, super-sincero.

Um perfil próximo ao de Ciro Gomes?

Ciro Gomes parece que extrapolou. Eu não faria o que ele fez. Quando se referiu ao Doria agora, usando um palavrão, que ele tem "areia no olho". Eu não falaria aquilo para ninguém. Ciro Gomes tem uma bagagem cultural enorme, está faltando ele medir a força dele.

Esses dias ele me disse que preferia mil vezes um Bolsonaro ao Doria...

Eu não sou inimigo dele. Se o Ciro Gomes aparecer para conversar, bato papo numa boa. Acho que votei nele para presidente. Tinha simpatia pelas propostas dele. Depois de ter maturidade, uma certa experiência, deixa aquela fase de garoto, hoje tem que ter pé no chão, quando se fala em proposta tem que ver se dá para atingir ou não.

Se as escolas fossem campo de doutrinação, não era para a esquerda estar mais forte?

Essa guinada do conservadorismo, eu chamo de direita, a oposição ao que a esquerda propõe. Devemos em grande parte a Olavo de Carvalho, que era de esquerda, em menor quantidade a minha pessoa quando discuto a condição do Brasil. Entrei na luta armada com 15 anos de idade ao lado do Exército brasileiro. E via três, quatro vezes por ano na minha cidade o Rubens Paiva, nenhum jornal tem a coragem de publicar o que eu falo na tribuna, a molecada está se libertando da perfeição hipotética. O que tira o pobre, não interessa se homem, mulher, gay, é o conhecimento. Alguns falam do Escola Sem Partido, que vamos querer cantar o Hino Nacional toda semana... Se for possível todo dia o nosso hino, não a internacional socialista, como na escola do sem-terrinha.

Como o senhor avalia o primeiro ano da gestão Temer?

Um governo refém do PSDB, com um canhão apontado para a cabeça que é a Lava Jato, que pegou o País com 10 milhões de desempregados e agora está com 12 milhões. País que não arrecada, que dado a corrupção em escala, faz que os empresários cheguem lá fora para fazer negócio com o manto da desconfiança, um país com uma das mãos de obras mais caras do mundo e não tão bem preparada.

LEIA TAMBÉM:

- Marina Silva: 'Polarização política disputava comando da corrupção que golpeou a democracia'

- Ciro Gomes: 'Mil vezes um Bolsonaro do que um enganador como o Doria'

- Após delação da Odebrecht, Lula e Bolsonaro se fortalecem na disputa de 2018, segundo Datafolha