LGBT

Entidades britânicas recomendam acabar com a distinção entre os uniformes de meninos e meninas

“Para os alunos que estão tendo dificuldade com seu gênero, essa iniciativa transmite uma mensagem clara: que estamos aqui para protegê-lo e lhe dar apoio.”

22/05/2017 19:40 -03 | Atualizado 22/05/2017 19:40 -03

Uma escola particular britânica anunciou que estuda a possibilidade de acabar com a distinção entre os uniformes de meninos e meninas. O anúncio foi saudado por entidades de defesa da comunidade LGBT e que defendem a inconformidade de gênero.

Adam Pettitt, diretor da Highgate School, na zona norte de Londres, anunciou que está consultado seus alunos e os pais deles para discutir a adoção de um uniforme "gender-neutral" (com neutralidade de gênero), que daria a todos os alunos, independentemente de seu gênero, a opção de usar calças ou saia.

Pettitt disse ao jornal The Sunday Times que, se a autorização de usar saia fizer "alguns meninos se sentirem mais felizes e seguros de quem são, deve ser uma coisa positiva".

​​​​​​

No momento, as alunas da escola podem optar entre calças cinzas ou uma saia pregueada cinza, mas os meninos não têm direito de usar a saia.

O anúncio do diretor foi saudado por um porta-voz da ONG Stonewell, que defende os direitos das pessoas LGBT.

"Saudamos todos os esforços para fomentar a inclusão dos jovens, fazendo-os se sentirem aceitos como são quando estão na escola", disse a ONG.

"A iniciativa assinala o apoio da escola Highgate por um mundo em que todas as pessoas sejam aceitas, sem exceções."

Susie Green é CEO da ONG Mermaids UK, que procura conscientizar crianças e adolescentes quanto à inconformidade de gênero. Ela espera que esteja chegando perto um tempo em que a possibilidade de meninos optarem por usar saia não seja mais algo fora do comum.

"Como exemplo de algo que todas as escolas deveriam estar fazendo, essa iniciativa é ótima", ela comentou. "Ela transmite aos estudantes uma mensagem muito forte de inclusão."

"Pode ser que poucas pessoas sejam afetadas pela iniciativa, mas, graças às nossas discussões com pais e adolescentes, sabemos que as crianças e os adolescentes transgêneros geralmente enfrentam dificuldades quando fazem a transição social de gênero. Essa fase pode ser altamente tensa."

"Saber que não há conformidade de gênero no que diz respeito ao uniforme escolar e contar com um ambiente escolar inclusive podem ajudar a reduzir a dificuldade dessa fase."

"Sabemos que muitas escolas andam fazendo isso sem alarde, e é algo tão simples de implementar. Só é preciso que os diretores digam que todos os alunos têm o direito de vestir qualquer artigo que conste da lista do uniforme."

"Para os alunos que estão tendo dificuldade com seu gênero, essa iniciativa transmite uma mensagem clara: que estamos aqui para protegê-lo e lhe dar apoio."

Em blog postado no HuffPost Reino Unido, Pettitt explicou que uma discussão com seus alunos após a morte do cantor George Michael, que vivia perto da escola, o levou a refletir sobre "identidade de gênero, neutralidade de gênero e o que a escola poderia fazer para facilitar essa jornada."

"Eu quis garantir que nada que disséssemos levasse ninguém a entrar ou permanecer no armário."

Este post foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.

LEIA TAMBÉM:

- Como a Secretaria de Educação de SP está combatendo o preconceito de gênero nas escolas

- A cada 25 horas, 1 homossexual é assassinado no Brasil, diz pesquisa

10 momentos históricos da luta LGBT