NOTÍCIAS

Conselho Federal de Psicologia chama ação de Doria na Cracolândia de ‘barbárie’

‘Braços Abertos’, programa de Fernando Haddad para dependentes químicos, será substituído por projeto que inclui internações.

22/05/2017 15:54 -03 | Atualizado 22/05/2017 15:54 -03
Montagem / Reuters / Agência Brasil
Conselho Federal de Psicologia critica mudanças feitas pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) na Cracolândia.

O Conselho Federal de Psicologia classificou como "barbárie" e "atrocidade" a ação da prefeitura de João Doria (PSDB) na Cracolândia, com o fim do programa Braços Abertos, criado pela gestão anterior.

Em nota assinada junto com o Conselho de Psicologia do estado de São Paulo, a entidade faz duras críticas à mudança nas ações voltadas para dependentes químicos.

A ação afronta os 30 anos de história da luta antimanicomial no Brasil, recém-celebrados em 18 de maio, e os princípios internacionais dos direitos humanos. A violência policial ostensiva foi o expediente utilizado para promover a remoção e a internação forçadas da população em situação de rua que habitava a área do centro de são Paulo conhecida por "Cracolândia".

Na madrugada deste domingo (21), uma operação com 900 policiais retirou usuários e prendeu traficantes no principal ponto de consumo e comércio de drogas no centro de São Paulo. Na sequência, Doria anunciou o "fim da cracolândia".

A cracolândia aqui acabou, não vai voltar mais. Nem a prefeitura permitirá nem o governo do Estado. Essa área será liberada de qualquer circunstância como essa. A partir de hoje, isso é passado.

O prefeito anunciou que todas pensões e hotéis destinados a abrigar usuários de drogas serão interditados e demolidos. "Essa área será reestruturada urbanisticamente com prioridade para habitação popular", afirmou.

No lugar do programa criado pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT), São Paulo terá o Redenção, que inclui internações de dependentes químicos.

A hospedagem e a remuneração por trabalhos como varrer as ruas serão preservadas, desde que os usuários se comprometam a fazer tratamentos de desintoxicação ligados ao Recomeço, programa da gestão do governo de Geraldo Alckmin (PSDB).

Esse "novo programa" repete fórmulas ultrapassadas, inadequadas e ineficientes do ponto de vista da saúde mental. Repete o "Programa Recomeço", do governo estadual, e a "Operação Sufoco", da gestão municipal. As três iniciativas têm como princípios o tratamento por internação, inclusive involuntária, em parceria com comunidades terapêuticas mantidas por entidades confessionais, não sendo coincidência o nome "Redenção".

Na avaliação do Conselho Federal de Psicologia, as novas ações usam abordagens "inadequadas e ineficientes".O programa de Haddad tinha orçamento anual de R$ 12 milhões e gasto de R$ 1.320 por mês por usuário. O de Dória não tem os custos informados. Já o de Alckmin, que prevê internações compulsórias, custa R$ 80 milhões por ano e R$ 1.350 por usuário por mês.

Kobra pinta com dependentes na Cracolândia

LEIA MAIS:

- Doria ou Alckmin: PSDB corre para escolher neste ano seu candidato para 2018

- FHC critica mote de Doria: 'Gestor não inspira nada, tem que ser líder'