MULHERES

Por que falamos em mulheres plus size, mas não de homens plus size?

Isso é bom, mas também é ruim.

10/05/2017 17:44 -03 | Atualizado 10/05/2017 17:52 -03
Johnny Bigg
Uma grife australiana identificou essa lacuna e resolveu entrar em ação.

Pense numa coisa. Quando foi a última vez que você ouviu alguém falar em "homens plus size" ou leu uma manchete sobre isso?

As mulheres são vistas como "plus size" no mundo das modelos quando têm tamanho 44 ou mais, e as mulheres comuns, não modelos, são classificadas nessa categoria quando compram roupas em tamanhos maiores que o 40.

Mas o que dizer dos homens?

Existem alguns poucos fabricantes pouco conhecidos que criam roupas para homens "grandes e altos", mas de modo geral os grandões não são bem servidos em matéria de roupa. Poderíamos considerar que isso não é uma coisa negativa, pois significa que os corpos dos homens não são dissecados e discutidos publicamente como acontece com as mulheres, mas, infelizmente, esse tipo de atenção voltada aos homens vem aumentando –sem que sejam oferecidas soluções aos homens que se enquadram na categoria plus.

A psicóloga clínica Olivia Patrick, diretora da clínica Shape Your Mind, disse ao HuffPost Austrália: "Acho que o corpo dos homens vem sendo objeto de atenção maior da mídia nos últimos anos. Isso acontece em grande medida porque os anunciantes ganham muito dinheiro gerando insegurança em nós em relação a nós mesmos e nossa aparência. Não está acontecendo no mesmo grau em que acontece com as mulheres, mas está aumentando."

"O termo 'plus size' veio originalmente da indústria de roupas e era usado em relação a mulheres, enquanto os homens tradicionalmente levam o rótulo de 'grande e alto'. É claro que esse rótulo não descreve realmente o formato corporal de todos os homens 'plus size', então pode ser sentido como escárnio por homens que, por exemplo, estão acima do peso mas não são altos."

Acho que há uma falta de opções plus size para homens e mulheres no comércio em geral.

"O próprio termo 'plus size' é bastante controverso. Algumas pessoas curtem a descrição e a veem como algo positivo, mas muitas outras acham que, quando descrevemos pessoas como 'plus size', estamos automaticamente deixando entender que o corpo humano deve ser classificado como 'normal' ou 'não normal'. Em outras palavras, 'plus size' pode ser visto como um termo que marginaliza pessoas, representativo de sociedades com tendências a humilhar os obesos", disse Patrick.

Ela acha que o público se beneficiaria se visse uma diversidade maior de formas e tamanhos corporais refletida na publicidade voltada a homens.

"Em vez de falar especificamente ou dar atenção explícita aos homens 'plus size', seria mais benéfico, a meu ver, vermos uma gama diversificada de homens de tamanhos e formatos diferentes sendo representados na mídia, sem sentir a necessidade de fazer qualquer alusão ao peso ou tamanho deles", disse a psicóloga.

"Acho que há uma falta de opções plus size para homens e mulheres no comércio em geral, e essa é uma das maiores dificuldades das pessoas com excesso de peso para se sentirem confiantes em sua própria pele. Seja qual for o tamanho da pessoa, todo o mundo quer poder encontrar roupas de que gosta e nas quais pode se sentir bem, e há muito poucas marcas que oferecem tamanhos que fogem da média nacional."

Se bem que existam alguns poucos bloggers de moda homens e plus size (como @guyoverboard) que querem mostrar que os homens maiores também podem ter estilo.

Uma grife australiana identificou essa lacuna e resolveu entrar em ação. A Johnny Bigg é uma grife que nasceu da Tarocash e é voltada a homens que não cabem nas marcas convencionais para homens.

"Nossa grife é única neste mercado. É a única marca estilosa, moderna e contemporânea que oferece a homens maiores (ou mais altos) produtos nos quais eles possam sair de casa, seja para algo casual, casual elegante ou formal", disse ao HuffPost Austrália o CEO da grife, Julian Hayman.

"Ninguém mais está oferecendo roupas modernas e contemporâneas a esses consumidores, e as lojas nos ambientes convencionais de shopping center, tampouco. Normalmente o que se vê é que esse consumidor é obrigado a procurar um lugar específico para ele, e, quando chega lá, descobre que são lugares muito antiquados e fora de moda, com produtos superconservadores."

Olivia Patrick comentou que alguns homens que ela atende em sua clínica têm vergonha de sua aparência física, e isso, por sua vez, os leva a evitar atividades como compras e passar tempo com outras pessoas em locais públicos.

"Os homens que me preocupam são pessoas que não estão contentes com seu corpo e sua relação com a comida, de modo que não são representativos de todos os homens maiores, é claro. Mas muitos homens maiores sentem muita vergonha de seu corpo, e esse sentimento tem impacto grande sobre sua autoconfiança. A vergonha do próprio corpo afeta o tipo de atividades sociais e físicas das quais eles participam, em muitos casos limitando-as muito, o que então tem o efeito de reduzir ainda mais sua autoconfiança e percepção de seu próprio valor", disse a psicóloga.

"Até agora, as mulheres foram o alvo principal deste mercado. Existem cinco ou seis grifes aí fora e centenas de lojas para mulheres no mercado plus size. Mas os homens foram totalmente esquecidos. Através de nossas empresas voltadas ao grande público, percebemos que havia uma oportunidade aberta de produzir para essa clientela. Fomos olhar no Reino Unido e Estados Unidos e descobrimos que ninguém está vestindo esses homens de modo moderno, estiloso, contemporâneo. O nosso trabalho é fazer esse homem se sentir como outro homem qualquer. Só porque ele é grande ou alto ou tem músculos grandes, por que ele deveria se sentir diferente de qualquer outra pessoa?", indagou Julian Hauman.

Patrick acha que a pressão sobre os homens em função de sua aparência não é tão grande quanto a que é sofrida pelas mulheres, mas está aumentando.

"Acho que muitos homens se preocupam, sim, com seu corpo e sua aparência física, especialmente no contexto da pressão social crescente para terem uma aparência xis. A pressão sobre os homens não é tão extrema quanto é sobre as mulheres, mas está presente, sim", disse Patrick.

A post shared by Johnny Bigg (@johnnybigg) on

Quanto ao sucesso da grife Johnny Bigg, ela revela a necessidade de mais produtos voltados a estes homens, até agora relegados ao esquecimento.

"A reação vem sendo fenomenal, e não estou dizendo isso apenas porque criei a grife", disse Hayman. "Começamos com duas lojas e agora temos 22; nosso objetivo é ter 80 espalhadas pela Austrália. Recebemos depoimentos de homens que nos dizem estar tão contentes porque finalmente alguém pensou neles. Sim, é um negócio, mas para mim e minha equipe tem sido uma satisfação enorme atender às necessidades de uma clientela que no passado não era levada em conta. As pessoas saem de nossas lojas sentindo-se bem com elas mesmas. É muito bom ver isso."

Para os homens que estão com a autoconfiança em baixo nível ou têm dificuldades em encarar sua imagem corporal, há ajuda disponível.

"Se um homem está tendo dificuldade com sua imagem corporal ou como ele encara seu peso e se ele acha que pode precisar de ajuda, pode ser muito útil procurar o apoio profissional de um psicólogo especializado em questões de imagem corporal", disse Patrick. A Butterfly Foundation e o Centre for Eating and Dieting Disorders são ótimos recursos para ajudar as pessoas a localizar um psicólogo apropriado", disse Patrick.

"Precisamos nos tratar com gentileza e lembrar que somos dignos de respeito, independentemente de nosso formato ou tamanho corporal. Se acreditamos que somos dignos de respeito, fica muito mais fácil tratar nosso corpo com respeito e cuidar dele."

Este texto foi originalmente publicado no HuffPost Austrália e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Por que é uma conquista ter mulheres plus size na capa da Playboy e da Vogue

- A relação moda, autoestima e as mulheres 'plus size'