POLÍTICA

Os famosos que defendem a CLT e protestam contra a reforma trabalhista de Temer

Nesta semana, atores da TV Globo protestaram contra as mudanças na CLT que foram aprovadas na Câmara.

04/05/2017 11:41 -03 | Atualizado 04/05/2017 11:58 -03
Montagem/Instagram

Tatá Werneck, Taís Araújo, Alinne Moraes, Letícia Sabatella e outros atores da Rede Globo protestaram contra a reforma trabalhista proposta pelo presidente . Após a greve geral na última sexta-feira (28) e protestos em todo o país no Dia do Trabalho, na segunda (1º), artistas utilizaram seus perfis nas redes sociais para se posicionarem contra as mudanças na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Aprovada na Câmara dos Deputados no final de abril, o projeto altera 100 pontos das leis trabalhistas. A reforma permite, por exemplo jornada de até 12 horas diárias, férias parceladas em até três vezes, intervalo de almoço reduzido de uma hora para 30 minutos, remuneração por produtividade e tornará a contribuição sindical opcional.

Com a proposta, patrão e empregado poderão negociar registro de ponto, compensação de banco de horas, participação nos lucros das empresas e redução do intervalo entre as jornadas de trabalho, entre outros pontos. Agora a proposta segue para o Senado e deve ser votada ainda neste semestre.

Com a hashtag #somoscontraareformatrabalhista, artistas tiraram fotos com a carteira de trabalho e se mostraram contra a proposta. "Sabemos da necessidade de aprimorar esse conjunto de leis, mas não podemos esquecer sua principal função: assegurar os nossos direitos, os direitos dos trabalhadores", escreveu Taís Araújo. "Sem debate e reflexão não podemos avançar."

A opinião é compartilhada por Tatá Werneck, Letícia Sabatella e Alinne Moraes.

#somoscontraareformatrabalhista

Uma publicação compartilhada por Tata Werneck (@tatawerneck) em

#somoscontraareformatrabalhista

Uma publicação compartilhada por Alinne Moraes (@alinnemoraes) em

#somostodoscontraareformatrabalhista #somoscontraareformatrabalhista

Uma publicação compartilhada por LetIcia_Sabatella (@leticia_sabatella) em

A atriz Camila Pitanga também protestou nas redes sociais. "Como não se revoltar com essa proposta? Leia essa imagem com atenção! Em todo o mundo, isso seria chamado de trabalho escravo. No Brasil, dizem que é a reforma das leis do trabalho rural", escreveu no Instagram.

"Minha voz é a voz de muitos", disse o ator Caio paduan. "Desejo absoluta igualdade de oportunidades, condições de trabalho e respeito no mercado para todos os cidadãos brasileiros independente de sua classe social, raça, gênero e orientação sexual."

Nathalia Dill e Julia Konrad também protestaram.

O trabalhador merece respeito! Afinal, é ele que faz o país andar! #somoscontraareformadaprevidência

Uma publicação compartilhada por Nathalia Dill (@nathaliadill) em

Lorena Comparati argumentou: "eu quero mudanças que sejam melhores para todos e não para um grupo seleto. Acredito na educação, cultura, arte, justiça e saúde de qualidade para todos, sem desigualdade! Democracia não deveria ser utopia e sim realidade!!!"

Lúcio Mauro Filho também postou uma foto com sua carteira de trabalho. "Questões com essa profundidade, devem ser discutidas arduamente com todos os setores da sociedade, pois avança sobre direitos conquistados com muita luta. Não dá pra ser tocada, por um governo tampão, que se instaurou da maneira que foi", escreveu.

Sou trabalhador do Brasil, profissional desde 1991. Trabalhei como ator, diretor, produtor, autor, contra-regra, operador de áudio, operador de iluminação, produtor musical, músico, mestre de cerimônias, recreador de hotel e DJ. Desde os meus17 anos, contribuo com a previdência. Pago todos os meus impostos. Me sinto um idiota por não ter nada de volta, porém sou um burguesinho, sempre dopado pela minha condição de ter um salário muito acima da média. Mas não posso omitir, como cidadão, a minha opinião a respeito da REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Questões com essa profundidade, devem ser discutidas arduamente com todos os setores da sociedade, pois avança sobre direitos conquistados com muita luta. Não dá pra ser tocada, por um governo tampão, que se instaurou da maneira que foi. Com o principal ator que comandou os trabalhos na cadeia e o vice que se tornou presidente, tendo participado da mesma negociação criminosa que culminou com o abuso de poder econômico/político que os elegeu. Nem esse congresso, onde a maioria está citada nas delações do maior escândalo de corrupção do mundo, têm qualquer legitimidade para fazer uma reforma dessa magnitude. Estão todos manchados. Toquem a economia, sei lá! Mas reforma da previdência, isso é muito sério. E na classe política, a única coisa que levam a sério, é a proteção de seus interesses e benefícios. #somoscontraareformatrabalhista #nãodecidampornósporquetemosvoz #diadotrabalho

Uma publicação compartilhada por Lucio Mauro Filho (@luciomaurofilhooficial) em

Viviane Araújo também foi contra a proposta de Temer.

O ator Paulo Betti convocou seus seguidores a comparecer em um protesto no Rio de Janeiro, no último dia 1º, Dia do Trabalho.

Hoje as 11 horas, na Cinelândia, ato de ecumênico contra a violência nas manifestações. Irei.

Uma publicação compartilhada por Paulo Betti (@paulobetti) em

Outro lado

Na avaliação do governo e das federações que representam o empresariado, a flexibilização das leis trabalhistas irá estimular a recuperação da atividade econômica e aumentar a oferta de empregos. Hoje, mais de 14 milhões de brasileiros estão desempregados, de acordo com dados do IBGE divulgados na última sexta-feira (28). Se trata da maior taxa de desocupação já registrada pela pesquisa, iniciada em 2012.

Os defensores da reforma argumentam que ela reduzirá a insegurança jurídica e o custo para os empregadores. O Senado abriu uma consulta pública na última quarta-feira sobre a reforma. Para votar, clique aqui.

LEIA MAIS:

- Datafolha: Para 58%, trabalhadores perdem direitos com reforma trabalhista

O Dia do Trabalho no Brasil e no mundo