POLÍTICA

Protestos contra mortos nas marginais e a batalha entre Doria e as flores

Pela segunda vez, ativistas tentaram entregar flores ao prefeito que jogou as plantas no chão no domingo.

01/05/2017 16:31 -03 | Atualizado 01/05/2017 16:31 -03
Montagem/Twitter
Prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) joga flor entregue por ciclista no chão.

Pela segunda vez em dois dias o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) se envolveu em polêmica com ativistas contrário ao aumento do limite de velocidade nas marginais na capital paulista.

Manifestantes tentaram entregar flores ao tucano na inauguração da praça Ayrton Senna, no Paraíso, região central da cidade, nesta segunda-feira (1º), dia em que se completa 23 anos da morte do piloto.

O ato organizado pelo movimentos Cidade a Pé e Ciclocidade era uma "homenagem aos mortos das marginais" e um protesto à possibilidade de remoção das ciclovias.

Apoiadores de Doria, contudo, fizeram uma espécie de cordão e vaiaram um dos ciclistas que tentou entregar flor ao tucano. Houve um princípio de tumulto, e o homem foi retirado pela Guarda Civil Metropolitana.

O prefeito respondeu ao gesto com críticas ao governo do ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva.

Faço aquilo que é importante ser feito. Para isso, ninguém me empareda. Não será nenhum ativista e nenhum petista que vai me colocar contra a parede. Nem com flores nem com gritos. Aquelas flores do mal que quiseram me dar ontem eu dedico a Lula e a Dilma que criaram 14 milhões de desempregados.

No domingo, o prefeito jogou no chão flores entregues por uma ciclista quando ele estava dentro do carro, saindo da cerimônia de abertura da Japan House São Paulo.

Ao G1, a ciclista disse que o gesto era um protesto às mudanças na mobilidade propostas pelo tucano. "Eu como ciclista e pedestre estou me sentido muito desprotegida. Se ele tirar as ciclovias vamos correr risco", afirmou.

No Twitter, Doria justificou o ato.

A cena repercutiu nas redes sociais e chegou a ganhar uma versão do meme da criança fã da banda Raça Negra que conversa com uma flor de plástico no programa do Sílvio Santos. O vídeo viralizou em 2016.

Mobilidade

Desde 25 de janeiro, data da implantação do novo limite de velocidade, ao menos sete pessoas morreram em acidentes nas marginais, de acordo com o G1.

O aumento de velocidades nas marginais foi uma das principais promessas da campanha eleitoral do tucano. Os limites atuais são de 90 km/h na pista expressa, de 70 km/h na pista central, e de 60 km/h na pista local.

O governo do tucano planeja mudanças em ciclovias implantadas pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT), como remanejamentos e troca de parte das pistas exclusivas por ciclorrotas, que não separam bicicletas do restante do tráfego.

Os livros prediletos de João Doria (PSDB)

LEIA MAIS:

- Após delação da Odebrecht, Lula e Bolsonaro se fortalecem na disputa de 2018, segundo Datafolha

- Doria: 'Não sou grevista, que é preguiçoso e vagabundo. Não sou Jaiminho'