ENTRETENIMENTO

5 músicas de Belchior para amar e mudar as coisas que mais interessam

O adeus ao ‘rapaz latino-americano’ de 70 anos.

30/04/2017 12:45 -03 | Atualizado 30/04/2017 19:59 -03
Agência Brasil / Arquivo
Cantor Belchior morre aos 70 anos.

Aos 70 anos, o cantor e compositor Belchior morreu na noite deste sábado (29), em Santa Cruz do Sul (RS). Familiares confirmaram o falecimento, mas não informaram a causa da morte*. O sepultamento deve ser feito em Sobral (CE), terra natal do artista.

Em nota, o governador cearense, Camilo Santana (PT) decretou luto de três dias e lamentou a morte do cantor, "ícone da Música Popular Brasileira e um dos primeiros cantores nordestinos de MPB a se destacar no País".

Belchior é dono de uma trajetória artística da mais absoluta importância para a cultura do Estado. Sua carreira o levou ao patamar de um dos maiores ícones da Música Popular Brasileira, promovendo o nome do Ceará em todo o Brasil e no mundo.

Seus sucessos foram gravados por Jair Rodrigues, Roberto Carlos e Elis Regina, que cantou Como nossos pais. O cantor falava cinco idiomas e os conhecimentos iam da filosofia à física quântica.

1. "Amar e mudar as coisas me interessa mais"

2. "Como é perversa a juventude do meu coração
Que só entende o que é cruel, o que é paixão"

3. "Meu bem, o mundo inteiro está naquela estrada ali em frente"

4. "Eu estou muito cansado de não poder

De não poder falar palavra

Sobre essas coisas sem jeito

Que eu trago em meu peito"

5. "Agora eu quero tudo, tudo outra vez"

História

Com 22 irmãos, Belchior passou a infância no Ceará, onde foi cantador de feira e poeta repentista. Estudou música coral e piano e em 1962, mudou-se para Fortaleza, onde estudou Filosofia e Humanidades.

Começou a cursar Medicina, mas abandonou para se dedicar à música. Ligou-se a um grupo de jovens compositores e músicos, como Fagner,conhecido como o Pessoal do Ceará.

Em 1971, quando se mudou para o Rio de Janeiro, venceu o IV Festival Universitário da MPB. Morou também em São Paulo. O segundo LP, Alucinação, consolidou a carreira.

Sumido

Em 2005, Belchior abandonou a então esposa Ângela para viver com Edna Prometheu. Poucos anos depois, deixou de fazer shows e enfrentou processos judiciais relacionados a pensões alimentícias de duas filhas.

Um suposto desaparecimento do cantor foi anunciado em 2008. Segundo reportagem da revista Época, ele foi alvo de dois mandados de prisão pelo não pagamento das pensões e viveu escondido no Rio Grande do Sul.

Ele também devia R$ 1 milhão em um processo trabalhista movido por seu ex-secretário particular, Célio Silva. As contas foram bloqueadas e ele chegou a se abrigar em uma instituição de caridade.

Em 2009, concedeu entrevista para o programa Fantástico, da Rede Globo, quando estava no Uruguai. Ele disse não haver desaparecido e contou que preparava um novo disco. Três anos depois, passou a ser procurado por uma dívida em um hotel uruguaio, que Belchior negava.

Neste domingo, o adeus ao rapaz latino-americano é assim, com o coração cheio e sem perder a irreverência.

*ATUALIZAÇÃO

Análise preliminar indica que Belchior morreu em razão do rompimento da artéria aorta, disse neste domingo (30) a delegada Raquel Schneider. Raquel falou com o médico do IML da cidade de Cachoeira do Sul, responsável pela necropsia em Belchior.

LEIA MAIS:

- 'Mais angustiado que um goleiro na hora do gol': O Brasil não superou a morte de Belchior

- QUIZ: Quer descobrir quem você é dentro dos movimentos de música brasileira? Faça o teste!

22 filmes que contam a história de astros da música