MULHERES

Conheça Clara Tice, ilustradora erótica que escandalizou Nova York no século passado

Aplausos para o olhar feminino. 💖

26/04/2017 19:45 -03 | Atualizado 26/04/2017 19:57 -03

Aviso: este artigo contém ilustrações eróticas que podem ser inapropriadas para seu local de trabalho.

Clara Tice via Honest Erotica

Clara Tice foi uma ilustradora voltada à temática erótica.

Seus desenhos e gravuras retratam fantasias explícitas, mostradas do ponto de vista de uma mulher, com corpos nus, ambientes luxuosos e intimidade descontraída. Suas obras de arte ousadas, carregadas de apreço pela sexualidade feminina e visualizações francas de cópulas de todo tipo, poderiam parecer o trabalho de uma artista contemporânea com muitos seguidores no Instagram. Mas Tice ficou famosa no mundo das artes no início do século 20.

Tice nasceu em 1888 e foi incentivada por seus pais a desenhar desde criança, algo raro para mulheres na época. Adulta jovem, estudou por pouco tempo no Hunter College, em Nova York, mas abandonou a faculdade para ser mentoreada pelo pintor Robert Henri. Através de seu trabalho independente com Henri ela aprimorou seu estilo visual, combinando elementos do estilo Art Nouveau com um minimalismo gráfico muito à frente de seu tempo.

Clara Tice

Clara Tice teve sua grande oportunidade em 1915, quando amigos seus organizaram uma mostra de seu trabalho em um restaurante boêmio de Greenwich Village. A mostra foi interrompida por uma blitz da Sociedade Nova-Iorquina de Repressão ao Vício, instituição dedicada à defesa da moral e dos bons costumes públicos. Por sorte, um editor presente ao evento comprou os trabalhos mais explícitos da artista, de modo que nenhum deles foi confiscado durante a operação.

A controvérsia acabou beneficiando Tice. Segundo a Francis M. Naumann Fine Art, quando o editor da Vanity Fair, Frank Crowninshield, ficou sabendo da blitz, decidiu publicar fotos dos nus de Tice e um anúncio de um falso julgamento satírico. "Ela será levada a julgamento", dizia o anúncio, "e absolvida da acusação de ter cometido atrocidades negras e indizíveis sobre papel branco, violando os corpos esguios de meninas, gatos, pavões e borboletas."

A publicidade resultante chamou muita atenção ao trabalho da pintora, que daquele momento em diante passou a ser conhecida em seu círculo de criativos de Nova York como "a rainha de Greenwich Village". Mas, apesar da celebridade módica que alcançou em vida, o trabalho de Clara Tice caiu no relativo esquecimento após a morte dela, em 1973.

Clara Tice via Honest Erotica

Felizmente, seu trabalho pode agora ser visto no novo site Honest Erotica, que reúne ilustrações eróticas passadas e presentes de artistas que abrangem desde grandes nomes como Egon Schiele e Auguste Rodin até preciosidades menos conhecidas como Clara Tice. O site é administrado por duas pessoas que se identificam publicamente como "John e Rose". Ambas trabalham há décadas na indústria editorial.

Em entrevista ao Huffington Post, John explicou que há anos se interessa por livros históricos e as ilustrações que contêm. Trabalhos de teor erótico, em especial, iluminam verdades relativas a gênero, sexualidade, poder e relacionamentos que nos oferecem insights fascinantes sobre o tempo e o lugar onde foram criados.

"Acho que ilustração e intimidade convivem muito bem", disse John. Enquanto a fotografia –pelo menos tradicionalmente—documenta o mundo que o cerca, a ilustração deixa espaço para a imaginação e o lúdico. Para John, isso permite "que as pessoas fiquem altamente instigadas com coisas que não teriam imaginado que as afetariam".

A Honest Erotica especifica muitas vezes em seu site que divulga material artístico de teor erótico, em oposição a pornográfico, mas John destacou que a distinção traçada não é uma questão de julgamento. "Não somos contra a pornografia, nem um pouco", ele explicou. "É apenas que estamos focados na ilustração, mais que na fotografia, principalmente por ser uma mídia subrepresentada."

O site é útil especialmente para se descobrir as muitas artistas mulheres que traduziram seus desejos lúbricos em imagens, séculos atrás, mas, por muitas razões lamentáveis, ficaram perdidas na obscuridade até agora. Fique de olho para acompanhar outras introduções às visionárias irreverentes do passado, graças ao manancial de imagens NSFW (impróprias para ser vistas no trabalho) vintage do Honest Erotica.

  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice via Honest Erotica
  • Clara Tice
  • Clara Tice
  • Clara Tice

Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Banksy é coisa do passado. Aqui vão 10 mulheres que mandam muito na arte de rua

- Mozart tinha uma irmã tão talentosa quanto ele

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres