MULHERES

O apelo da atriz Luana Piovani contra o assédio: 'É preciso quebrar o silêncio'

"Vocês imaginam como eu me senti quando o Dado Dolabella ganhou R$ 2 milhões 6 meses depois de ter enfiado a mão na minha cara?"

09/04/2017 17:21 -03 | Atualizado 09/04/2017 17:36 -03

Com a palavra, a atriz Luana Piovani:

"Garrincha enchia Elza Soares de porrada e é lembrado como um herói no Brasil;

Kadu Moliterno bateu na esposa, saiu na capa da Veja escrito não foi a primeira vez, e eu não soube de condenação;

Bruno, nem o corpo disse onde estava, e foi contratado. (...) Ele chama matar uma mulher grávida de erro;

Dado Dolabella, enfiou a mão na minha cara, fui para o mundo inteiro contar, e seis meses depois, ele ganhou R$ 2 milhões no programa A Fazenda, votado pelo telefone, pelas pessoas."

São com estes quatro casos que a atriz Luana Piovani faz um apelo para que as pessoas não se calem diante casos de assédio sexual. No vídeo publicano no seu canal no YouTube, a atriz destaca que são as pessoas que endossam o sucesso dos agressores "porque as pessoas não falam, as pessoas se calam, falam e as outras fingem que não escutaram".

Ela acrescenta ainda que: "Assédio, essas histórias machistas, misóginas, é o que mais tem. Quero dizer que a gente precisa quebrar o silêncio, tomar as rédeas das nossas vidas pelas mão".

Vocês imaginam como eu me senti quando o Dado Dolabella ganhou R$ 2 milhões seis meses depois de ter enfiado a mão na minha cara?

Caso Zé Mayer

A declaração da atriz corrobora os apelos de mulheres diante o caso de assédio do ator Zé Mayer contra a figurinista Su Tonami.

O relato de Su foi publicado no blog #agoraquesãoelas, da Folha de S.Paulo, no dia 31 de março. No mesmo dia, o jornal retirou o texto do ar, com o argumento de que o outro lado não foi ouvido. Em seguida, o texto foi publicado novamente.

No texto, a figurinista expõe as cenas que viveu. Segundo ela, o ator começou com elogios e foi evoluindo de frases como "você é muito bonita" para "fico olhando sua bundinha e imaginando seu peitinho".

Até que um dia: "Sim, ele colocou a mão na minha buceta e ainda disse que esse era seu desejo antigo".

No mesmo dia, o ator afirmou que as palavras e atitudes foram do personagem ao qual ele interpretava na novela 'Lei do Amor' e não dele.

"As palavras e atitudes que me atribuíram são próprias do machismo e da misoginia do personagem Tião Bezerra... Não são minhas!"

Quatro dias depois, ele assumiu que foi autor do assédio e pediu desculpas. Disse ainda que esperava que o reconhecimento público servisse para alertar a tantas pessoas da mesma geração que ele.

Um dia antes, a Rede Globo havia o suspendido por tempo indeterminado de sua programação.

O caso tem incentivado mulheres a não se silenciar diante a violência.

Aqui a íntegra do vídeo da atriz. O relato começa aos 15 minutos e 10 segundos.

Não silencie!

"Foi só um empurrãozinho", "Ele só estava irritado com alguma coisa do trabalho e descontou em mim", "Já levei um tapa, mas faz parte do relacionamento". Você já disse alguma dessas frases ou já ouviu alguma mulher dizer? Por medo ou vergonha, muitas mulheres que sofrem algum tipo de violência, seja física, sexual ou psicológica, continuam caladas.

Desde 2005, a Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, funciona em todo o Brasil e auxilia mulheres em situação de violência 24 horas por dia, sete dias por semana. O próximo passo é procurar uma Delegacia da Mulher ou Delegacia de Defesa da Mulher. O Instituto Patrícia Galvão, referência na defesa da mulher, tem uma página completa com endereços no Brasil. Clique aqui.

Leia mais:

- Efeito Zé Mayer: O impacto da denúncia de famosas sobre assédio na capa da Veja

- 'Tem que ser casca grossa' e ter grau de tolerância com assédio, diz Maitê Proença

'Covarde': elas denunciam violência