MULHERES

Efeito Zé Mayer: O impacto da denúncia de famosas sobre assédio na capa da Veja

Nojo e medo são algumas das palavras usadas pelas celebridades para descrever o que sentiram.

08/04/2017 10:40 -03 | Atualizado 08/04/2017 11:11 -03
Montagem/Reprodução
Sandra Annenberg, Valesca Popozuda e Luiza Possi: Em comum, todas têm pelo menos um caso de assédio para relatar.

"Eu ainda veria esse dia! Dia em que nós mulheres não teríamos mais medo de denunciar. Quem nunca foi assediada?"

A declaração acima da apresentadora Sandra Annenberg, de 48 anos, mostra como o apoio a denúncia da figurinista Susllem Tonani, de 28 anos, sobre o assédio sexual do ator José Mayer, de 67 anos, inflou o debate em locais onde tentaram silenciá-lo.

A figurinista informou a todas as instâncias da Rede Globo sobre o abuso que vinha sofrendo, mas a emissora só se pronunciou após a denúncia publicada no blog #agoraquesãoelas ter viralizado.

Annenberg e outras mulheres, como as cantoras Luiza Possi e Valeska Popozuda, estão na capa da revista Veja desta semana, com seus relatos de abuso sexual.

O trabalho foi o ambiente mais citado nos relatos à revista. A ex-consulesa da França Alexandra Loras, de 40 anos, por exemplo, pediu dicas a um diretor de como melhorar ao não ter passado em um teste para trabalhar na televisão, o diretor ajudou, mas queria algo em troca.

"Ao receber minha negativa, respondeu que eu era manipuladora. Isso é muito comum em vários meios de imprensa — na França, no Brasil, em todo o mundo."

Situação semelhante ocorreu com a cantora Valesca Popozuda, de 38 anos.

"Eu estava no início da carreira quando um empresário entrou no meu camarim, disse umas coisas e colocou o pênis para fora. Eu estava usando um babyliss e encostei o aparelho quente nele. Hoje, a situação pode até parecer engraçada, mas não foi. Eu chorava sem parar. Nunca contei a ninguém por medo. Medo de que não acreditassem em mim", disse à Veja.

No caso de Sandra Annenberg, não ter compactuado com o assédio fez com que ela perdesse muitas oportunidades.

"Agora não é hora de lamentar o passado, mas de comemorar o presente e olhar para o futuro que deixaremos para as nossas filhas e filhos, um futuro (ainda de muita luta!) de igualdade, sem seres superiores nem inferiores e em que todos tenham as mesmas oportunidades para mostrar seus talentos."

Infância

Outro caso comum relatado à revista foi um de assédio na infância. A chef de cozinha Bel Coelho, de 37 anos, foi vítima desse tipo de violência quando tinha 11 anos. "Tudo isso não durou mais de cinco minutos, mas foi tempo suficiente para me causar medo, culpa e nojo por muitos anos."

Importância de dizer não

Embora a publicação tenha sido alvo de críticas nas redes sociais por não aprofundar o debate sobre assédio, o relato de mais de uma dezena de mulheres famosas mostra que o debate não morreu.

Em novembro de 2014, Juliana Faria, do coletivo Think Olga, de empoderamento às mulheres e responsável pelo documentário Chega de riu fui', resumiu a importância de não se calar:

"Dizer não ao assédio é não aceitar mais que mulheres sejam vistas como objetos sexuais passivos ou como vítimas frágeis do poder dos homens."

Denúncia

O caso de Su Tonami evidencia a dificuldade das mulheres em fazer a denúncia. O relato do assédio foi publicado no blog hospedado na Folha de S.Paulo no dia 31 de março. No mesmo dia, o jornal retirou o texto do ar, com o argumento de que o outro lado não foi ouvido. Em seguida, o texto foi publicado novamente.

No texto, a figurinista expõe as cenas que viveu. Segundo ela, o ator começou com elogios e foi evoluindo de frases como "você é muito bonita" para "fico olhando sua bundinha e imaginando seu peitinho".

Até que um dia: "Sim, ele colocou a mão na minha buceta e ainda disse que esse era seu desejo antigo".

No mesmo dia, o ator afirmou que as palavras e atitudes foram do personagem ao qual ele interpretava na novela 'Lei do Amor' e não dele.

"As palavras e atitudes que me atribuíram são próprias do machismo e da misoginia do personagem Tião Bezerra... Não são minhas!"

Quatro dias depois, ele assumiu que foi autor do assédio e pediu desculpas. Disse ainda que esperava que o reconhecimento público servisse para alertar a tantas pessoas da mesma geração que ele.

Um dia antes, a Rede Globo havia o suspendido por tempo indeterminado de sua programação.

O caso gerou grande repercussão entre atrizes globais que endossam o combate ao machismo.

A post shared by Leandra Leal (@leandraleal) on

Leia mais:

- Zé Mayer pede desculpas por assédio a Su Tolani: 'Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender'

- 'Mexeu com uma, mexeu com todas': As atrizes globais se unem por fim do assédio na TV

12 capas da Marvel em homenagem às mulheres