MUNDO

Bombardeio contra Estado Islâmico deixa ao menos 15 mortos na Síria

A suspeita é que os aviões do ataque pertençam à coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

08/04/2017 15:20 -03 | Atualizado 08/04/2017 15:31 -03
AFP/Getty Images
Guerra na Síria começou em 2011.

Pelo menos 15 civis morreram neste sábado por bombardeios de aviões que supostamente pertenciam à coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, perto da cidade de Al Raqqa, na Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). As informações são da agência de notícias EFE.

Entre os mortos no bombardeio, realizado na cidade de Hunaida, se encontram quatro crianças, segundo o OSDH, que também informou que há vários feridos em estado grave.

A província de Al Raqqa, no nordeste da Síria, é o principal santuário do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) e alvo de uma ofensiva das Forças da Síria Democrática (FSD), milícias lideradas pelos curdos, que contam com apoio da coalizão internacional.

Segundo o OSDH, desde o dia 1º de março morreram cerca de 220 civis, entre eles 36 menores de idade, pelos bombardeios realizados em Al Raqqa, incluindo o deste sábado (8).

As FSD, que contam com o apoio dos aviões da coalizão internacional e de forças especiais dos EUA no terreno, iniciaram no dia 6 de novembro a ofensiva "Ira do Eufrates" com o objetivo de expulsar o EI de Al Raqqa.

As milícias estão a poucos quilômetros de Al Raqqa e estão tentando cercar totalmente a cidade, antes de avançar rumo ao interior da cidade, que é considerada a "capital" dos territórios controlados pelo EI.

Leia mais:

- Por que a ofensiva de Trump contra a Síria foi aplaudida por grandes potências internacionais

- O relato da jornalista que visitou a cidade síria depois do ataque químico