COMPORTAMENTO

Técnica da Grécia Antiga pode dobrar a capacidade de memória, dizem cientistas

‘Palácio da Mente’, de Sherlock Holmes, é real e de fato funciona.

04/04/2017 10:40 -03 | Atualizado 04/04/2017 10:52 -03
Oivind Hovland via Getty Images
Bem, e se disséssemos que existe uma técnica antiga que pode efetivamente dobrar nossa capacidade de memorização?

Tentar lembrar das coisas pode ser difícil, afinal, somos apenas humanos.

Bem, e se disséssemos que existe uma técnica antiga que pode efetivamente dobrar nossa capacidade de memorização?

Pesquisadores da Universidade de Radboud, na Holanda, encontraram provas científicas de que, ao criar um lugar fictício em nossa mente e então "armazenar" nossas memórias nesse espaço, podemos aumentar consideravelmente nossa capacidade para lembrar das coisas.

Se a técnica soa familiar, então provavelmente você já viu o método sendo usado no extremamente famoso seriado Sherlock. O detetive usa seu 'Palácio da Mente' para ajudar a juntar pistas e lembrar fatos com precisão quase fotográfica.

Bem, acontece que, além de o 'Palácio da Mente' ser uma coisa real, com treinamento suficiente qualquer pessoa pode criar sua própria técnica.

Depois de 40 dias com sessões diárias de treinamento de 30 minutos, os pesquisadores descobriram que indivíduos que tinham habilidades de memória típicas e nenhum treinamento prévio poderiam efetivamente dobrar a quantidade de palavras das quais conseguiam se lembrar.

Se antes os indivíduos se lembravam de uma média de apenas 26 palavras de um total de 72 possíveis, os pesquisadores constataram que agora podiam se lembrar de uma média de 62.

"Depois do treinamento, vimos um aumento expressivo do desempenho em testes de memória", diz principal autor da pesquisa, Martin Dresler, professor assistente de neurociência cognitiva do Centro Médico da Universidade de Radboud. "Além de induzir uma mudança comportamental, o treinamento também pode induzir padrões de conectividade cerebrais semelhantes aos vistos em atletas da memória."

O que torna esta pesquisa tão fascinante, no entanto, é que aparentemente prova que ter uma memória incrível não está necessariamente relacionado ao tipo de indivíduo. As pessoas não nascem atletas da memória, elas têm cérebros totalmente semelhantes aos nossos, mas, como todos os atletas, treinam incrivelmente duro.

A ideia de localização ou memória baseada em imagem não é nova, na verdade, pode ser rastreada até os gregos antigos, onde a ideia original é creditada ao poeta grego Simónides de Ceos.

Também é uma técnica de memória bem documentada usada por atletas da memória de nível mundial e como uma forma reconhecida de treinamento da memória. O que estava faltando, claro, eram provas científicas para sustentá-la.

Então, como funciona?

Divulgação

A técnica é, na verdade, muito simples. Basicamente, é baseada no princípio de criar um 'lugar' dentro da cabeça no qual podemos então viajar.

Dentro daquele espaço, podemos então armazenar a informação da qual queremos nos lembrar especificamente, tais como números, palavras ou lugares.

Uma vez que os indivíduos do teste dominaram a técnica, os pesquisadores constataram que não exigia muito treinamento além de manter o mesmo nível de habilidade.

Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Memórias perdidas por Alzheimer podem ser recuperadas, sugere estudo

- Por que as aulas deveriam começar mais tarde

12 sinais de um cérebro apaixonado