NOTÍCIAS

Depois de criança na escola, bala perdida mata idoso que lia jornal

Este é o segundo caso em menos de uma semana envolvendo bala perdida no Rio de Janeiro.

03/04/2017 15:26 -03 | Atualizado 03/04/2017 15:43 -03
specnaz-s via Getty Images

Uma troca de tiros nesta segunda-feira (3) envolvendo policiais militares e traficantes de drogas na comunidade Mandela 2, em Manguinhos, zona norte do Rio, resultou na morte de Evangelista da Silva, de 72 anos, atingido por um tiro de bala perdida na cabeça, quando lia jornal no portão de casa.

Evangelista morreu na hora. Devido ao tiroteio, duas escolas da rede municipal, duas creches e um espaço de desenvolvimento infantil estão sem funcionar por medida de segurança, deixando 1.559 alunos sem aula.

Com a morte, moradores da comunidade de Manguinhos fecharam a Avenida Leopoldo Bulhões, principal ligação do bairro com a zona norte e a Avenida Brasil. Eles também atearam fogo em paus e pneus, fechando totalmente a avenida.

Policiais dizem que foram atacados por bandidos

De acordo com o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Arará/Mandela, policiais da unidade estavam em patrulhamento na localidade conhecida como Mandela 2, por volta das 10h de hoje, quando foram atacados por criminosos armados.

Na ação, um homem foi atingido e não resistiu aos ferimentos. O local está isolado, e a perícia da Polícia Civil foi acionada.

Neste momento, moradores realizam uma manifestação e objetos estão sendo incendiados na Avenida Leopoldo Bulhões. O policiamento na região está reforçado. A Divisão de Homicídios investiga o caso.

Este é o segundo caso envolvendo vítima de bala perdida em menos de uma semana. Na última quinta-feira (30), a estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, foi morta por bala perdida, quando participava de uma aula de educação física na quadra da Escola Municipal Jornalista Daniel Piza, em Acari, zona norte da cidade.

Leia mais:

- Esposa de senador registra boletim de ocorrência por agressão

- Vítimas de violência doméstica terão prioridade em perícias, aprova Câmara

Famosas contra cultura do estupro e violência doméstica