ENTRETENIMENTO

Do brega ao hype: Tudo o que você precisa saber sobre a volta da pochete

Parece que ela voltou pra ficar.

28/03/2017 15:37 -03 | Atualizado 28/03/2017 18:37 -03

A esta altura, você que é antenado em moda já deve saber que a pochete voltou.

Não é ligado no tal mundo da moda? Fique tranquilo, a gente conta o que aconteceu.

Depois de marcar presença nos últimos eventos internacionais de moda, sendo inclusive consagrada como o grande hit do verão 2017, a bolsinha ajustável deixou as trevas do consciente coletivo para brilhar absoluta nas ruas.

Sob novas texturas e modelagens mais divertidas, a pochete deixou a fama de brega e agora é vista na cintura de gente famosa e anônima, do Brasil e do exterior.

No Carnaval, ela foi acessório onipresente no look de foliões, assim como do público da última edição do festival de música Lollapalooza.

Auge e decadência

As informações sobre a criação da pochete não são exatas.

Sabe-se que ela surgiu na década de 70 com larga adesão pela comunidade hippie ao redor do mundo. Nessa mesma década, o acessório prático na hora de guardar dinheiro e documentos virou item quase obrigatório no guarda-roupa masculino.

Montagem/Reprodução/Twitter/maucardoso_/sonhostortos
Febre nos anos 80, pochete ganhou alcunha de braga a partir da década de 1990.

Nos anos 1980, as mulheres se apropriaram da peça tornando-a uma verdadeira febre.

Com suas extravagantes versões em poliéster, a pochete iniciou um declínio nos anos 1990 com o surgimento de uma estética minimalista nas passarelas. Já nos anos 2000, ganhou a alcunha de brega e praticamente desapareceu do circuito fashion.

Divulgação
Taxista Eloísa, personagem de Tatá Werneck em 'Vai Que Cola', brinca com o uso da peça em um look considerado pouco descolado.

A ressurreição

Martin Magiela é apontado como um dos responsáveis pelo retorno do pochete ao mundo da moda.

Em 2012, ele recriou a peça numa coleção feita em parceria com a marca H&M. De lá para cá, outros estilistas renomados, como Alexander Wang, Tory Burch e Rebecca Minkoff, reeditaram o acessório em diferentes coleções sinalizando uma gloriosa redenção.

Geety Images
Detalhe da pochete repaginada pela grife Tory Burch na passarela de Nova York em 2014.

Como você viu no início deste texto, a volta triunfante ocorreu nos desfiles que apresentaram as apostas para o verão 2017.

A tendência utilitária de grandes grifes, incluindo Louis Vuitton, Hermès e Versace, deu destaque não apenas à bolsinha ajustável mas também à mochilas e a outros itens com pegada esportiva.

Se restava alguma dúvida sobre o retorno definitivo da pochete no Brasil, ela desapareceu assim que a famosa consultora de moda Gloria Khalil anunciou sua "readesão" à peça repaginada.

"Por que a gente demonizou tanto a pobre da pochete? Ela é tão bacaninha!", indagou em seu perfil no Facebook.

Como usar

Já que a pochete está em alta, nada melhor do que aprender a forma ideal de usá-la. As dicas dos especialistas estão longe de ser complexas:

1) Na hora de usar sua pochete, opte por ajustá-la ao lado da cintura (nunca de frente para a barriga) ou na diagonal (indo do ombro para a cintura).

2) Tente coordenar as cor da pochete com a cor da roupa com a qual vai usá-la. Nada de pochete preta sobre jeans claro. Isso é coisa do passado!

3) O uso da pochete não é restrito, mas combina mais com eventos e ocasiões despojadas.

Mas como moda é se sentir bem consigo mesmo, todas as dicas acima podem ser desconsideradas caso você queira usar a pochete do seu jeito. ;)

Onde comprar

Sóbrias, exóticas ou descoladas, existem opções de pochete para todos os gostos e bolsos. A seguir, uma breve lista de marcas que oferecem o acessório na internet para você não ficar fora de moda.

Glitch - Preço médio - R$ 100

Agora Que Sou Rica - Preço médio - R$ 100

Melissa - Preço - R$ 190

Acorda - Preço médio - R$ 85

Tricoma - Preço médio - R$ 60

LEIA MAIS:

- 7 momentos para repensar o que vestimos e como nos sentimos

- A surpreendente volta por cima da Barbie tem tudo a ver com raça

100 anos de moda masculina