MULHERES

Quem é Borgore, o DJ que compõe músicas 'machistas, misóginas e babacas'

DJ foi criticado pela apresentadora do Multishow, Titi Muller, durante transmissão ao vivo do Lollapalooza

27/03/2017 10:13 -03 | Atualizado 27/03/2017 16:08 -03
Divulgação

A apresentadora Titi Muller chamou o DJ Borgore de machista e misógino em uma transmissão ao vivo no Multishow durante o segundo dia do Lollapalooza Brasil, no domingo (26).

Ao apresentá-lo antes do show no festival, Titi não conteve as críticas sobre as letras do DJ israelense Asaf Borgore. "Ele é responsável por vários hits, mas o grande lance é que, na medida que ele foi ganhando visibilidade as letras compostas por ele, foram extremamente machistas, misóginas, babacas mesmo foram ganhando visibilidade e, obviamente, muitas críticas", disparou a apresentadora, que estava ao vivo.

Titi também citou o verso de uma música de Borgore: "aja como uma vadia, mas antes lave a louça", acrescentando: "Não sei como interpretar isso. (...) Ele falou que isso é só um personagem. Querido, na próxima encarnação invente um personagem melhor."

Ao final da fala, ela se mostrou incomodada com a transmissão do show no canal. "Eu gostaria de falar 'machistas não passarão' mas vai passar agora". Após uma breve aparição do DJ, o canal decide barrar a transmissão e volta para Titi, que comemorou: "Opa, cortou Borgore. Ops! Não vamos mais passar Borgore, tadinho". Assista:

O DJ foi uma das atrações mais polêmicas do festival que aconteceu no último fim de semana em São Paulo. O canal Multishow se mostrou neutro em relação à fala de Titi e afirmou que os apresentadores "têm liberdade de expressão e opinião."

Além de letras extremamente misóginas – uma de suas músicas mais famosas, Nympho tem um dos versos "essa vagabunda é tão usada que eu não a venderia numa loja de segunda mão / Sua bu**** é tão larga" – Borgore utiliza as redes sociais para pedir às fãs que mandem nudes. Ele também gosta de autografar decotes.

Os fãs, por outro lado, dizem que as músicas do DJ são libertadoras. Em outubro de 2015, a feminista Molly Hankins publicou um texto na Vice com o título: "Como é ser feminista e trabalhar para Borgore". Nele, Molly diz que hesitou em aceitar o trabalho por saber o histórico do músico, mas hoje tem uma visão completamente diferente dele.

"Depois de conhecê-lo melhor, eu tive que admitir que ele era um cara muito legal", disse, acrescentando que ele é completamente diferente do personagem que inventou nos palcos. "Então eu me perguntei: quem é pior - o cara que é extremamente misógino nas ruas e um cavalheiro na vida pessoal ou alguém com uma imagem impecável que trata as mulheres como lixo?"

Ela termina o texto defendendo o hábito do músico de pedir nudes das fãs e retuitar as fotos. "Se cada garota de todo o mundo tuitar um foto de sua bunda ao mesmo tempo, seremos todas vagabundas ou será normal? Se é 'ok' a Miley [Cyrus] pedir às fãs para deixarem os seis à mostra, como eu não posso ficar 'ok' com Borgore dizendo para mostrar a bunda? Que se fod*, eu vou fazer isso."

Em fevereiro deste ano, Borgore conversou com o The Huffington Post americano. "Assim como eu sou um 'bad boy', também sou um bom garoto. Se por um lado, tenho meninas tuitando e lotando meus shows, eu ainda ligo para minha mãe todo o santo dia. É um estranho yin yang."

Apesar disso, Borgore continua sendo criticado por colegas DJs. Bassnectar, por exemplo, disse que suas músicas "degradam as mulheres assim como as tratam como objetos sexuais."

Muitos brasileiros também apoiaram Titi Muller após o desabafo.

Titi entrou na onda e comentou o assunto de forma bem humorada.

LEIA MAIS:

- As letras machistas e misóginas deste artista deveriam incomodar todo mundo

- Ele decidiu assinar e-mails com o nome de sua colega de trabalho e viu o pior lado do machismo

#PorTodasElas: Elas dizem NÃO ao machismo