ENTRETENIMENTO

Primeira série brasileira da Netflix, '3%' virou um baita sucesso nos EUA

Serviço de streaming informa que ela é produção de língua não-inglesa mais assistida dos EUA.

17/03/2017 12:22 -03 | Atualizado 17/03/2017 16:20 -03

O sucesso de 3%, primeira produção brasileira original Netflix, tem sido avassalador ao redor do mundo. Ela é atualmente a série de língua não-inglesa mais assistida dos EUA, desde seu lançamento em novembro do ano passado.

Quem afirma é a própria Netflix.

Por meio de um comunicado divulgado nesta quinta-feira (16), o serviço de streaming informou também que, considerando a quantidade de horas assistidas, 50% da audiência do seriado vem de outros países que não o Brasil.

Além dos EUA, outros países foram detectados como grandes espectadores da série, incluindo Austrália, França, Canadá, Itália, Coréia do Sul. Turquia e Hong Kong.

Divulgação
'3%' é exibida via Netflix em 190 países.

"Em um mundo pós-apocalíptico onde apenas 3% dos participantes são bem sucedido, a primeira série original brasileira da Netflix pode ser considerada parte do seleto grupo de produções nacionais que impactaram públicos globais", analisa a empresa.

Para a a Erik Barmack, o sucesso de 3% mostra que há sempre público disposto a prestigiar "uma grande narrativa", independente do local onde foi produzido.

"Os incríveis produtores, diretores e elenco brasileiros de 3% construíram uma série atraente que questiona a dinâmica da sociedade ao colocar os personagens em um processo de sobrevivência cruel para chegar ao 'outro lado', e isso criou uma empatia com públicos do mundo todo. O sucesso da série em todo o mundo nos levou a confirmar a segunda temporada assim que a série foi lançada."

A trama

Em 3%, a sociedade brasileira se divide em duas partes: o Continente, repleto de escassez de recursos, miséria e desesperança, e o Mar Alto, onde todos têm direito a uma vida mais humana. No entanto, só há um caminho para se chegar lá: vencer no Processo, uma dura seleção para a qual jovens de 20 anos se alistam. Apenas 3%, como sugere o título, devem chegar ao Mar Alto.

Em entrevista ao HuffPost Brasil na época do lançamento da série, Bianca Comparato – que intepreta a personagem Michele, uma das protagonistas da série – falou sobre a atualidade da trama:

"Sem dúvida, a série culminou em uma conjuntura política na qual ela serve como alerta. A globalização faliu e a prova disso é a eleição de políticos conservadores neste ano. Se a gente continuar segregando e dividindo, a gente pode chegar [a um futuro como o de 3%]."

Presente em 190 países, 3% já tem sua segunda temporada em fase de pré-produção. A direção é de Cesar Charlone (diretor de fotografia de Cidade de Deus e Ensaio Sobre a Cegueira. O roteiro é assinado por Pedro Aguilera.

Assista abaixo ao trailer da 1ª temporada disponível na Netflix.

'3%': Série distópica da Netflix mostra futuro do Brasil com abismos do presente