NOTÍCIAS

Estas empresas não querem mais patrocinar o clube 'Boa Esporte' após a contratação do goleiro Bruno

Time de futebol de Varginha, em Minas Gerais, perdeu o 4º e maior patrocinador nesta segunda-feira (13).

13/03/2017 20:39 BRT | Atualizado 13/03/2017 20:46 BRT
Divulgação
O grupo era o patrocinador "master" do clube até então, com o maior número de investimento

O time da segunda divisão Boa Esporte contratou o goleiro Bruno. Menos de uma semana depois, já perdeu quatro patrocinadores do clube. Nesta segunda-feira (13), o Grupo Gois & Silva, principal patrocinador do clube e a Kanxa, do ramo esportivo, anunciaram que não patrocinam mais a equipe.

Segundo nota divulgada no Facebook de Rafael Gois, CEO do Grupo Gois & Silva, a decisão foi tomada depois que o clube decidiu não rever sua posição de contratar o goleiro Bruno.

Com o término do contrato, o Grupo Gois e Silva pediu a retirada de suas marcas (Grupo Gois e Silva, Dengue Control e Fazenda Ouro Velho) das camisetas, redes sociais e todos os demais canais de comunicação do Boa Esporte Clube. A empresa ainda deixa claro que repudia "qualquer tipo de violência contra a mulher".

O grupo era o patrocinador "master" do clube até então, com o maior número de investimento. Segundo o Globo Esporte, empresário de Bruno, Lúcio Mauro, afirmou que "o Bruno fica triste" com a saída dos patrocinadores, mas que tem "certeza que virá um master melhor do que o que saiu".

Ainda nesta segunda-feira (13), a Kanxa divulgou uma nota em que diz que não é mais fornecedora de material esportivo do Boa Esporte.

As outras empresas

A Cardiocenter Varginha, que prestava serviços de avaliações médicas ao clube, também disse ter pedido para que sua marca fosse removida do site do clube. A marca se posicionou em post no Facebook dizendo que "não concorda coma contratação de jogadores que não representam nossos ideais":

A Magsul, clínica especializada em ressonâncias magnéticas que também prestava serviços médicos para o clube, informou que rescindiu seu contrato.

A Nutrends, empresa de nutrição que é uma das patrocinadoras do time, anunciou que vai retirar de forma imediata o apoio à equipe de Varginha (MG). O anúncio foi divulgado na noite deste sábado (11) no Facebook da marca:

Após ser criticado por torcedores, internautas e perder os patrocínios, o Boa Esporte Clube, time de Varginha, em Minas Gerais, divulgou uma nota no último domingo (12) explicando a contratação do goleiro Bruno, que foi solto em fevereiro devido a um habeas corpus.

Assinada pelo presidente, Rone Moraes da Costa, a nota publicada no perfil do clube no Facebook reitera que não foi a empresa que soltou o Bruno e que contratá-lo, antes de mais nada, "faz parte da obrigação social da empresa, da sociedade em cooperar com a recuperação de um ser humano."

Ainda no domingo (12), clube se pronunciou sobre a contratação. "O que dizer da contratação do atleta Bruno?", disse o post.

"O tão procurado estado democrático de direito, a sociedade justa e fiel, a vida em sociedade, segundo critérios civilizados indicam de longa data que o criminoso colocado em liberdade deve ter atenção do estado, atenção suficiente para que possa restabelecer uma vida em sociedade. E ninguém pode negar que não existe vida em sociedade mais digna vida no trabalho."

Ainda segundo o Globo Esporte, a Prefeitura de Varginha, que tem um convênio firmado com o clube, disse em nota divulgada nesta segunda-feira (13) que seu departamento jurídico está analisando a possibilidade de rescindir, ou não, o convênio.

Com passagens pelo Flamengo e Atlético, o goleiro Bruno estava preso desde 2010, acusado pelo assassinato de sua ex-mulher, Eliza Samudio.

Em 2013, foi condenado a 22 anos e 3 meses pelo homicídio mas, como não teve seu recurso julgado desde então, conseguiu sua liberdade provisória no dia 24 de fevereiro deste ano, por decisão do ministro do Superior Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello.

5 mulheres que enfrentaram o machismos nos esportes