MULHERES

Mais de 60% dos brasileiros já presenciaram uma mulher sendo agredida, diz pesquisa

"A violência é socialmente tolerada". Só em 2016, mais de 500 mulheres foram agredidas a cada hora no Brasil.

08/03/2017 10:22 BRT | Atualizado 08/03/2017 11:19 BRT
Ricardo Moraes / Reuters
A cada hora, 500 mulheres são agredidas no Brasil.

Em 2016, 66% dos brasileiros afirmaram ter presenciado alguma mulher sendo agredida verbal ou fisicamente. No mesmo ano, a cada hora, mais de 500 mulheres foram violentadas, ameaçadas e espancadas. Ao todo, foram 4,4 milhões de mulheres vítimas de alguma agressão.

Estes são alguns dos dados da pesquisa "Visível e Invisível: a Vitimização de Mulheres no Brasil", realizada pelo Datafolha em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgada nesta quarta-feira (8).

O instituto ouviu 2.073 pessoas, sendo 1.051 mulheres, de todas as regiões do Brasil para coletar informações sobre a violência contra a mulher no país.

De acordo com os dados, o assédio é mais grave entre mulheres jovens (16 a 24 anos) e negras. Quando se trata de violência doméstica, mais de 60% das vítimas conheciam o seu agressor. Apesar do alto índice de ocorrências, 52% das mulheres não denunciaram a violência sofrida.

Em entrevista à Folha, Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum, afirmou que a violência contra a mulher é naturalizada.

"Os resultados da pesquisa mostram que a violência faz parte da gramática dos relacionamentos no país e que é algo socialmente tolerado."

Só este ano, casos de feminícidio chocaram o país, como a chacina que ocorreu em Campinas. Nos primeiros 11 dias de 2017 foram noticiados pelo menos cinco casos de mulheres que morreram justamente por serem mulheres. Todos com requintes de crueldade.

Por trás das estatísticas, histórias de opressão, silenciamento, descasos, invisibilidades e abusos.

Histórias de mulheres.

Não silencie!

"Foi só um empurrãozinho", "Ele só estava irritado com alguma coisa do trabalho e descontou em mim", "Já levei um tapa, mas faz parte do relacionamento". Você já disse alguma dessas frases ou já ouviu alguma mulher dizer? Por medo ou vergonha, muitas mulheres que sofrem algum tipo de violência, seja física, sexual ou psicológica, continuam caladas.

Desde 2005, a Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, funciona em todo o Brasil e auxilia mulheres em situação de violência 24 horas por dia, sete dias por semana. O próximo passo é procurar uma Delegacia da Mulher ou Delegacia de Defesa da Mulher. O Instituto Patrícia Galvão, referência na defesa da mulher, tem uma página completa com endereços no Brasil. Clique aqui.

Ni Una A Menos: Argentina contra a violência de gênero